Polícia afegã diz ter matado insurgente envolvido em sequestro

Um alto comandante do Taliban envolvidono sequestro de 23 missionários cristãos da Coréia do Sulestava entre as dezenas de insurgentes mortas em conflitosocorridos no sul do Afeganistão na noite de segunda paraterça-feira, afirmou a polícia. Ali Shah Ahmadzai, chefe de polícia da Província de Ghazni,afirmou que o mulá Mateen, comandante do Taliban, estava entreos 22 insurgentes mortos em um conflito ocorrido no distrito deQarabagh, localizado naquela província. "Ele participou do sequestro. Temos uma equipe dereconhecimento no local", afirmou por telefone Ahmadzai, queestá em Ghazni, à Reuters. As Forças Armadas dos EUA, no entanto, afirmaram não tercerteza sobre se algum dos sequestradores estava entre os"vários" insurgentes mortos em Qarabagh. Segundo os norte-americanos, dezenas de militantes forammortos em uma outra batalha travada na província de Kandahar,ao sul, também durante a noite. Autoridades disseram ainda que três policiais morreram emdois atentados suicidas no sul afegão nesta terça-feira. "Os combatentes que enfrentamos na operação destamadrugada, em Ghazni, se envolveram em atividades militantescontra a coalizão. Não se sabe ainda, porém, se participaram ounão de algum sequestro", afirmou um porta-voz dos militaresnorte-americanos. Os enfrentamentos são os mais recentes de uma sérieocorrida nas últimas semanas no sul do país, dominado peloTaliban. Segundo os militares comandados pelos EUA, as forçasde coalizão mataram centenas de insurgentes nesses conflitos. Ogrupo militante reconhece ter sofrido baixas, mas diz que onúmero divulgado é mentiroso. Em um outro incidente, o governo afirmou que duasautoridades do Ministério do Desenvolvimento Rural tinham sidosequestradas na segunda-feira por homens não identificados, naProvíncia de Nimroz (sudoeste). Nimroz não fica longe do principal reduto do Taliban no sulafegão, mas é também uma peça-chave das rotas usadas pornarcotraficantes e nas quais há um grande número de criminosos. Poucos dias depois de selar um pacto com o governo daCoréia do Sul e libertar 19 reféns sul-coreanos, o Talibanprometeu na segunda-feira sequestrar e matar cidadãos de outrospaíses cujos soldados participem das forças da Organização doTratado do Atlântico Norte (Otan) e das tropas comandadas pelosEUA no Afeganistão. Um importante líder do Taliban afirmou a um repórter daReuters, sob a condição de anonimato, que o acordo selado comos sul-coreanos incluiu também o pagamento de um resgate demais de 20 milhões de dólares, dinheiro que pode ser usado paracomprar armas e bancar atentados suicidas. Os comentários do líder militante apareceram em meio arumores, no Afeganistão e na Coréia do Sul, sobre o pagamentode um resgate.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.