Polícia afegã prende 5 supostos homens-bomba

Homens portavam materiais explosivos; acredita-se que eles pertençam a milícia ligada a Al-Qaeda

08 de abril de 2010 | 22h38

Associated Press

 

Homens foram presos ao tentarem entrar na capital afegã. Foto: Musadeq Sadeq/AP

 

 

CABUL- A polícia afegã afirmou nesta quinta-feira, 7, que prendeu cinco supostos homens-bomba quando eles tentavam entrar em Cabul, evitando um grande ataque e capturando o maior grupo de insurgentes na capital.

 

A polícia acredita que os homens foram enviados por um grupo insurgente ligado a Al-Qaeda com base no Paquistão, e sua prisão foi feita após rumores de que militantes estavam planejando ataques na região diplomática da capital afegã.

 

Policiais pesadamente armados detiveram os supostos terroristas na manhã desta quinta em um posto de checagem no sudeste da cidade quando eles estavam em uma van com explosivos escondidos em suas roupas, de acordo com o comandante da Polícia Nacional afegã, Abdul Ghafar.

 

Ghafar disse que a polícia recebeu uma descrição do veículo e fechou a área. Os supostos insurgentes estariam se dirigindo para uma casa segura em algum ligar da capital para fazerem as preparações finais para o ataque suicida, de acordo com os policiais.

 

Os cinco homens, que tinham entre 20 e 25 anos de idade, se recusaram a falarem seus nomes ou nacionalidade, mas as autoridades estavam convencidas de que eles foram enviados pelo grupo Haqqani, uma facção do Taleban afegão no Paquistão, que tem ligações próximas com a Al-Qaeda.

 

Um porta-voz do Taleban, Zabiullah Mujahid, disse que a insurgência não estava ciente do aparente atentado. "Nós não temos informações sobre essas pessoas", afirmou.

 

Os cinco foram mostrados a jornalistas em uma base policial fortemente protegida nos arredores da cidade, juntamente com seu veículo e suas malas contendo material explosivo.

 

Eles ficaram em silêncio, virados de costas para os repórteres, com seus olhos cobertos por vendas e seus pulsos algemados.

 

Os Haqqani já foram acusados por outros ataques em Cabul. O líder da rede, Jalaluddin Haqqani, foi um herói da guerra contra os sovietes em 1980.

 

O último grande ataque dos Haqqani ocorreu em 26 de fevereiro, quando homens-bomba explodiram dois pequenos hotéis no centro da cidade, matando ao menos 16 pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.