Polícia de Honduras desativa granada e explode outra

Segundo a fonte, os artefatos estavam em pacotes diferentes, uma delas acessível para a desativação

Efe

22 de outubro de 2009 | 04h51

A polícia de Honduras desativou na quarta-feira, 21, uma granada de fragmentação e provocou a explosão de outra em um  centro comercial de Tegucigalpa, informou uma fonte oficial.

Um dos oficiais do Esquadrão Antibombas da Polícia que participou da operação disse à agência Efe que eram "dois artefatos", não de três, como "por erro" informou outra fonte policial a meios de

comunicação locais.

"Eram duas granadas de fragmentação no banheiro masculino do segundo andar do centro comercial, próximo aos restaurantes", acrescentou o informante.

Indicou que "as duas granadas estavam em pacotes diferentes, uma delas acessível, o que permitiu a desativação", enquanto "com a outra não ficou outra opção senão provocar a explosão" com uma

técnica que usa água pressurizada.

A fonte afirmou que as duas granadas estavam preparadas para explodir de maneira simultânea por um "dispositivo elétrico com relógio", que se encontrou no lugar.

O centro comercial, um dos maiores da cidade, está localizado a cerca de 300 metros da Casa Presidencial e em frente a um dos melhores hotéis da capital hondurenha.

Este fato se produz em momentos em que Honduras vive uma crise política por causa do golpe de Estado perpetrado contra o presidente, Manuel Zelaya, dia 28 de junho.

Zelaya permanece desde 21 de setembro na embaixada do Brasil, onde exige sua restituição no poder, o que também reivindica a Frente Nacional de Resistência contra o golpe de Estado, que se manifesta diariamente nas ruas desde a queda do presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.