Polícia enfrenta peregrinos em cidade sagrada do Iraque

A polícia matou três pessoas nasegunda-feira em confrontos com peregrinos em Kerbala, cidadesagrada do Iraque onde dezenas de milhares de peregrinos xiitasse reúnem para um dos dias mais importantes do calendário dessafacção islâmica. Um fotógrafo da Reuters disse ter visto um peregrino mortoa tiros diante do seu hotel. Vários feridos foram levados poroutros peregrinos. Um caminhão-pipa foi incendiado, e o ruído de metralhadorasecoou durante cerca de duas horas pelas ruas em torno do hotel,situado entre as mesquitas do Imã Hussein e do Imã Abbas,segundo o fotógrafo. A polícia disse ter disparado contra uma multidão deperegrinos enfurecidos pelas rígidas medidas de segurança emvigor na cidade para as celebrações. Além dos três mortos,houve 13 feridos. Raid Shakir, chefe de polícia de Kerbala, havia informadoque 10 mil policiais e 5 mil soldados seriam enviados para darproteção na cerimônia de terça e quarta-feira, que celebra onascimento, no século 9o, de Muhammad Al Mahdi, o último dos 12imãs que os xiitas reverenciam como santos. Os xiitas acreditamque ele nunca morreu e que voltará para salvar a humanidade. Normalmente, a cidade já tem rígidas medidas de segurançadurante eventos religiosos, com a proibição do tráfego deveículos e revistas corporais nos peregrinos. Xiitas de Bagdá, 110 quilômetros ao norte, e de outrascidades convergem para Kerbala, principalmente a pé, nosúltimos dias. As peregrinações xiitas são alvo constante de ataquessunitas, mas também servem como comícios políticos para amaioria xiita, que agora domina o governo, após décadas deopressão sobre o regime do ex-ditador Saddam Hussein. A peregrinação até agora vinha sendo pacífica, com poucosincidentes reportados. Policiais nas cidades de Iskandariya e Latifiya, ao sul deBagdá, disseram que homens armados mataram um peregrino eferiram cinco. No domingo, a polícia disse que uma peregrina foi morta eseis, sendo três crianças e três mulheres, ficaram feridos pordisparos feitos por um carro no bairro sunita de Doura, zonasul de Bagdá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.