Polícia interroga Olmert de novo por suspeitas de corrupção

Atual chefe do Executivo pode ter favorecido amigo, quando era ministro no Governo de Ariel Sharon

Efe,

11 de outubro de 2007 | 06h52

A polícia israelense começou nesta quinta-feira, 11, a interrogar de novo o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, por suspeitas de corrupção, informou o corpo de segurança. Há dois dias, ele foi interrogado durante quatro horas. Agentes da União Nacional de Investigação de Fraude chegaram à residência de Olmert em Jerusalém no começo da manhã para obter mais dados sobre as acusações que pesam sobre ele por um suposto delito de suborno, disse o porta-voz policial, Micky Rosenfeld. Esta unidade investiga, a pedido do procurador-geral do Estado, Eran Shendar, as acusações sobre um suposto delito de abuso de poder cometido por Olmert quando era ministro das Finanças no Governo do ex-primeiro-ministro Ariel Sharon. Os agentes tentam esclarecer se o atual chefe do Executivo tentou favorecer um amigo seu, Frank Lowey, na aquisição de um pacote de ações do Banco Leumi, o maior do país. Precisamente, as primeiras quatro horas de interrogatório foram centradas em esclarecer as relações entre Olmert e este empresário australiano, segundo o jornal Ha'aretz. O objetivo dos interrogatórios é ajudar os investigadores a elaborar um relatório - que devem apresentar em algumas semanas - no qual se pronunciem sobre se Olmert deve ou não ser processado.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelOlmert

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.