Polícia reprime manifestação de opositores no Irã

População ocupa as ruas para lembrar do 10º aniversário dos protestos estudantis na Universidade de Teerã

09 de julho de 2009 | 10h54

A polícia iraniana disparou bombas de gás lacrimogêneo contra centenas de manifestantes reunidos nos arredores da universidade de Teerã nesta quinta-feira, 9, para lembrar os dez anos dos distúrbios estudantis de 1999, segundo afirmaram testemunhas. A rede CNN afirmou ainda que a milícia pró-governo Basij também reprimiu a multidão.

 

Veja também:

Persépolis ganha versão 2.0 para denunciar eleições do Irã

som Podcast: Enviado do "Estado" no Irã comenta dificuldades da imprensa

som Podcast: Pedro Dória explica como manifestantes driblam censura no Irã

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

lista Tudo o que foi publicado sobre a crise eleitoral no Irã 

 

Mais cedo, o governador da província de Teerã, Morteza Tamaddon, disse que as forças de segurança "esmagariam" qualquer tentativa de protestos, em meio a chamados da oposição para a realização de novas manifestações de rua. Partidários do líder de oposição Mir Hussein Mousavi convocaram novos protestos para coincidir com o aniversário de um ataque a um dormitório da Universidade de Teerã pela milícia Basij em 1999, feito com o objetivo de encerrar protestos, e no qual um estudante foi morto.

 

O chefe de polícia Esmail Ahmadi-Moghaddam disse que não foram emitidas autorizações para qualquer tipo de manifestação para celebrar os distúrbios de 1999. Outras testemunhas confirmaram que a polícia mobilizou oficiais por várias praças importantes da cidade.

 

A CNN estima que entre 2 mil e 3 mil pessoas ocuparam as ruas e seguiram para a Universidade de Teerã, palco do confronto. Em 1999, a Universidade de Teerã foi palco de manifestações estudantis contra o regime e culminou com a morte de vários estudantes. Os alunos protestavam contra o fechamento de um jornal de esquerda. Durante seis dias, jovens entraram em confronto com o Exército e mais de mil pessoas foram presas.

Tudo o que sabemos sobre:
Irã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.