Potências mundiais e Irã interrompem negociação de acordo nuclear no Natal

Peritos ainda precisam decidir quando acordo com o país vai entrar em vigor

Justyna Pawlak, Reuters

22 de dezembro de 2013 | 17h03

Seis potências mundiais e o Irã suspenderam até depois do Natal as conversações de peritos sobre a implementação de um acordo nuclear, disse um porta-voz da chefe da política externa da União Europeia, Catherine Ashton, neste domingo. Especialistas dos Estados Unidos, Rússia, China, França, Grã-Bretanha, Alemanha e Irã se reuniram em Genebra, entre quinta-feira e domingo, para resolver os detalhes práticos do acordo, que obriga Teerã a suspender a parte mais sensível de seu programa nuclear.

Os peritos precisam decidir quando o acordo de 24 de novembro vai entrar em vigor, ou seja, quando o Irã começará a cumprir as obrigações e os governos ocidentais aliviarão algumas sanções econômicas em troca. Um ponto-chave parece ser a quantidade de informação que os governos ocidentais irão receber para que possam verificar se o Irã está cumprindo a sua parte do acordo antes de retirarem as sanções.

O porta-voz de Ashton, que supervisiona as negociações com o Irã em nome das seis potências, não disse o quanto de progresso houve nos últimos quatro dias de reuniões. "Haverá uma pausa nas conversas técnicas durante o Natal", disse Maja Kocijancic. "Esperamos que as negociações técnicas sejam retomadas antes do Ano Novo".

O Irã rejeita as acusações ocidentais de que o programa nuclear tem intenções militares, e diz que precisa de energia nuclear para geração de eletricidade e pesquisa médica.

O acordo de 24 de novembro se destina a dar às potências tempo para negociar um acordo final com o Irã para colocar fim ao impasse de dez anos e aliviar as preocupações sobre uma nova guerra no Oriente Médio.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.