PPP diz que poderes Musharraf serão reduzidos no Paquistão

Partido governista rebateu advertências do presidente paquistanês e pretende reformar a Constituição

Efe,

07 de junho de 2008 | 20h09

O Partido Popular do Paquistão (PPP, governista) rejeitou neste sábado, 7, as "ameaças ocas" do presidente paquistanês, Pervez Musharraf, que advertiu que não ficará "quieto" se o Parlamento reduzir seus poderes. Em comunicado divulgado após a entrevista concedida por Musharraf aos principais jornalistas paquistaneses, o PPP, através de seu porta-voz, Farhatullah Babar, disse que "essas advertências não dissuadem às forças democráticas a restaurar os poderes do Parlamento".   "O Parlamento, representante da vontade do povo, é soberano para aprovar ou modificar as leis e a Constituição, Musharraf gostando ou não", disse Babar, acrescentando que o PPP continuará sua intenção de estabelecer um equilíbrio de poderes entre a Assembléia Nacional e a Presidência.   Babar se refere a Musharraf em seu comunicado como "presidente de fato", questionando assim a legalidade de sua reeleição para um novo mandato em outubro.   O PPP pretende reformar a Constituição paquistanesa, de 1973, e apresentou uma minuta que reduz os poderes do presidente para dissolver o Parlamento e destituir o Governo. Musharraf rompeu neste sábado seu silêncio para descartar que tem a intenção de renunciar e ir para o exílio, e reivindicar seu espaço no "caminho democrático" empreendido no Paquistão.   O PPP, liderado pelo viúvo da ex-primeira-ministra paquistanesa Benazir Bhutto, Asif Ali Zardari, destacou em seu comunicado de resposta que "a pretensão de Musharraf de ser um democrata que desempenhou um papel importante para promover a democracia no país é uma das brincadeiras mais cruéis do século XXI".   "Musharraf será lembrado como uma esquadra de demolição composta por um só homem que demoliu a Constituição, a Judicatura e o Parlamento", diz o comunicado. O presidente "faria bem se parasse para refletir sobre seu papel ao levar o país a esta situação" que diz "angustiá-lo", sugeriu

Mais conteúdo sobre:
PPPPaquistãoPervez Musharraf

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.