Prédio em complexo residencial de Kadafi é destruído em bombardeio

Alvo do ataque foi um edifício administrativo; artilharia antiaérea efetuou disparos na mesma região

estadão.com.br,

20 de março de 2011 | 21h41

Prédio de complexo residencial do ditador Muamar Kadafi foi atingido por míssil

TRÍPOLI - A força de coalizão retomou nas últimas horas ataques sobre Trípoli, capital da Líbia, e um dos alvos foi o complexo residencial do ditador Muamar Kadafi, no distrito de Bab el Aziziya. Segundo informou a agência de notícias AFP, um prédio administrativo foi parcialmente destruído por um míssil.

 

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

A rede de televisão Al Jazeraa também registrou, com imagens transmitidas ao vivo, disparos de artilharia antiaérea procedentes da mesma região na capital líbia. Jornalistas da agência AFP e testemunhas ouvidas pela Reuters comprovaram os disparos e uma forte explosão na capital líbia.

 

De acordo com o jornal The Guardian, a Real Força Aérea britânica (RAF, na sigla em inglês) está executando os ataques mais recentes contra Kadafi, mas não está claro se seus caças estão atacando Trípoli. Todos estes eventos acontecem depois do novo cessar-fogo anunciado neste domingo pelas forças governamentais líbias.

Balanço da ofensiva

Em entrevista nos EUA, o porta-voz do Pentágono, almirante Bill Gortney, disse que os ataques dos últimos dois dias foram bastante efetivos, mas negou que a residência de Kadafi seja um alvo da coalizão.

No meio da tarde, baterias antiaéreas também foram ouvidas em Trípoli. Logo depois, um porta-voz do governo líbio declarou um 'cessar-fogo imediato' que entraria em vigor às 16h (horário de Brasília).

"As Forças Armadas emitiram uma ordem para todas as unidades militares respeitar um cessar-fogo imediato a partir das 21h (16h em Brasília)", disse o porta-voz Ibrahim Moussa.

O comunicado foi acompanhado do pedido às tribos do país para ir de Trípoli a Benghazi para negociações de reconciliação, segundo o The Guardian. O Pentágono, no entanto, minimizou o cessar-fogo. "Questionamos qualquer declaração vinda de Kadafi, inclusive de cessar-fogo", disse o almirante Gortney.

 

Uma coalizão formada por EUA, França, Reino Unido, Itália e Canadá deu início no sábado, 19, a uma intervenção militar no país, sob mandado da resolução 1973 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. A medida prevê a criação de uma zona de exclusão aérea na Líbia e a tomada de 'quaisquer medidas necessárias' para impedir o massacre de civis pelas tropas de Kadafi.

Leia ainda:

linkMais de 8 mil já morreram em revolta na Líbia, diz oposição

linkOtan afirma que ainda não decidiu se fará uma intervenção militar

linkTropas de Kadafi invadem cidade rebelde Misrata

linkCoalizão volta a atacar forças de Kadafi

 

Tudo o que sabemos sobre:
KadafiTripoliguerraLibia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.