Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Prefeitura de Jerusalém anuncia novas construções para palestinos

Projeto foi criticado por palestinos por ser apenas 'compensação' por novos assentamentos judeus

23 de março de 2010 | 19h10

Associated Press

 

JERUSALÉM- A prefeitura de Jerusalém apresentou um projeto para a construção de hotéis, edifícios comerciais e apartamentos para palestinos no coração do disputado lado oriental da cidade, de acordo com um comunicado divulgado nesta terça-feira, 23, que causou novas objeções dos palestinos.

 

Veja também:

linkIsrael vincula negociações de paz a expansão de assentamentos

linkColônias na Cisjordânia já custaram US$ 17 bilhões a Israel, diz estudo

lista O que pedem os negociadores internacionais

blog Chacra: Manual da crise EUA-Israel

 

O plano propõe desenvolver uma grande área desde os muros da Cidade Antiga para o turismo e o comércio, além de construir 1.000 apartamentos adicionais.

 

Os palestinos reclamam o leste de Jerusalém como capital de um futuro estado, e recusam qualquer construção israelense no local. Um líder palestino afirmou nesta terça que o plano de reconstrução tem como objetivo somente compensar construções de novos bairros judeus na cidade.

 

Apesar de o objetivo do programa anunciado nesta terça, segundo o governo israelense, ser melhorar o defasado setor oriental, conquistado por Israel na guerra de 1967, os palestinos o condenaram previamente porque ele inclui a demolição da grandes áreas antes da construção dos hotéis, centros comerciais e apartamentos.

 

Um gráfico anexado ao comunicado do projeto mostrou uma rua com novas casas construídas sobre edifícios já existentes, o que indica que os prédios antigos não serão destruídos.

 

Várias tensões diplomáticas foram causadas por projetos de construção em bairros judeus em Jerusalém oriental, incluindo as diferenças atuais entre Israel e os Estados Unidos devido ao projeto que contempla 1.600 novos apartamentos em Ramat Shlomo, um bairro judeu no leste da cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.