Premiê britânico pede que Kadafi pare com a luta

Líbio líbio deve enfrentar justiça, mas seu destino está nas mãos dos líderes rebeldes, disse Cameron

REUTERS

22 de agosto de 2011 | 07h53

LONDRES - A Grã-Bretanha fez um apelo ao líder da Líbia, Muamar Kadafi, para que pare de lutar, sem impor condições, depois que tropas leais a ele iniciaram nesta segunda-feira uma última ofensiva de resistência ao avanço dos rebeldes na capital, Trípoli.

 

Veja também:

PERFIL: Excêntrico e de orientação nacionalista, Kadafi chegou ao poder em 1969

VÍDEO: Líbios vão às ruas para celebrar notícia da queda de Trípoli

ESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

VISÃO GLOBAL: A insustentável situação de Kadafi

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse que gostaria de ver Kadafi enfrentar a Justiça, mas seu destino está nas mãos dos líderes rebeldes líbios, do Conselho Nacional de Transição.

Cameron pediu aos rebeldes que não adotem represálias.

"Na ONU, tomaremos ações prévias no Conselho de Segurança para dar à nova autoridade legal líbia o apoio diplomático, financeiro e político de que precisar", declarou Cameron a repórteres.

"Nós iremos em breve levantar o congelamento dos bens que pertencem ao povo líbio."

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIACAMERONAPELO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.