Premiê da Líbia é empossado após parlamento eleito aprovar novo gabinete

O primeiro-ministro da Líbia, Abdullah al-Thinni, e seu gabinete formam empossados neste domingo após parlamentares aprovarem o arranjo, mas terão dificuldade para liderar um país onde um parlamento rival opera na capital Trípoli.

REUTERS

28 de setembro de 2014 | 10h03

A Líbia flerta com a anarquia, com dois governos competindo por legitimidade três anos após a derrubada de Muammar Gaddafi.

A Câmara de Deputados e autoridades seniores eleitos se transferiram para a cidade oriental de Tobruk após um grupo armado da cidade ocidental de Misrata ocupar a capital e estabelecer uma assembleia e um gabinete rivais.

Na semana passada, a Câmara, que é reconhecida pela comunidade internacional, aceitou uma segunda lista de gabinete após considerar o grupo de 16 membros inicialmente nomeado grande demais.

O novo gabinete tem 13 ministros e inclui três delegados de Thinni e nenhum ministro do petróleo. O vital setor petroleiro será conduzido pela National Oil Corp (NOC), como ocorria sob Gaddafi.

Mais conteúdo sobre:
LIBIAPREMIEPOSSE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.