Danny Alveal/Efe
Danny Alveal/Efe

Premiê da Turquia diz que ataque de Israel é 'terrorismo de Estado'

Erdogan pede à comunidade internacional que responda à ação contra frota humanitária

REUTERS

31 Maio 2010 | 12h42

SANTIAGO - O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, acusou Israel de terrorismo de Estado nesta segunda-feira, 31, após soldados israelenses terem atacado um navio turco que levada ajuda humanitária à Faixa de Gaza.

 

Veja também:

linkObama pede esclarecimentos a Netanyahu

linkSoldados atuaram para se proteger, diz Netanyahu

linkBrasil condena ataque e pede explicações

linkComunidade internacional condena ataque

linkCineasta brasileira estava a bordo de frota atacada

"Esta ação, totalmente contrária aos princípios da lei internacional, é um terrorismo de Estado desumano. Ninguém deve pensar que ficaremos quietos diante disso", disse Erdogan a repórteres no Chile, onde ele encurtou uma visita oficial à América Latina para retornar à Turquia e lidar com a crise diplomática.

Ao menos 10 ativistas pró-palestinos, inclusive alguns turcos, foram mortos quando soldados israelenses atacaram um comboio de navios que levavam ajuda humanitária a Gaza.

 

O ataque desatou uma série de condenações e reações da comunidade internacional, principalmente da Turquia, já que a maioria dos cerca de 600 passageiros dos seis navios que compunham a frota eram turcos.

 

Na ONU, o chanceler turco, Ahmet Davutoglu, disse que Israel "perdeu toda sua legitimidade internacional" depois do ataque. "Isso é um homicídio cometido por um Estado", disse o chanceler na reunião. Segundo ele, não nenhuma justificativa para o ataque.

 

Saiba mais:

lista Entenda o bloqueio de Israel a Gaza

blog Ataque deteriorará ainda mais imagem de Israel

video Veja imagens do ataque das tropas de Israel

 

O governo de Israel havia dito durante a semana que não permitiria a entrada de quaisquer embarcações em águas da costa da Faixa de Gaza. Os israelenses, que permitem a entrada de ajuda humanitária a Gaza por fronteiras terrestres controladas, disse que a frota poderia desembarcar no porto de Ashdod. O Estado judeu mantém o bloqueio à Faixa de Gaza desde que o grupo militante palestino Hamas tomou o controle do território em 2007.

Mais conteúdo sobre:
ORMED TURQUIA TERRORISMO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.