Premiê de Israel diz que firmará paz com palestinos em breve

Benjamin Netanyahu planeja expandir paz no Oriente Médio, embora não tenha dito como fará o acordo

Reuters,

23 de julho de 2009 | 15h53

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse nesta quinta-feira, 23, que seu país espera "firmar a paz com os palestinos", embora não tenha afirmado de que maneira ele tentaria retomar as negociações com os árabes.

 

Em entrevista dada no Egito, país mediador das negociações de paz entre Israel e os países árabes, o premiê israelense disse que "espera que os próximos meses possa firmar a paz com os palestinos e expandir isso para um acordo mais amplo dentro da região" do Oriente Médio.

 

O presidente palestino Mahmoud Abbas ordenou a Israel a paralisação da expansão dos assentamentos judaicos antes das negociações, que estão paradas há alguns meses.

 

Nabil Abu Rdainah, um dos assessores de Abbas, respondeu aos comentários de Netanyahu dizendo que os palestinos estavam prontos para retomar as negociações "imediatamente" para uma solução bilateral baseada na devolução do território tomado por Israel em 1967, incluindo a parte leste de Jerusalém.

 

Se Israel aceitar essas condições, incluindo a paralisação da expansão dos assentamentos, "o caminho para a paz estará aberto", disse Rdainah.

 

Netanyahu, que assumiu o governo de Israel em março, tem rejeitado desde então os pedidos dos EUA e da Europa de paralisar as construções de novos assentamentos no território ocupado.

 

O Egito foi o primeiro país árabe a assinar um acordo de paz com Israel em 1979, seguido pela Jordânia, em 1994. Desde então, o país tem sido o mediador entre as negociações de Israel com os outros países árabes, principalmente a Palestina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.