Premiê de Israel renunciará após escolha de sucessor

Cercado de escândalos decorrupção, o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, disse naquarta-feira que vai renunciar assim que seu partido, o Kadima,escolher um novo líder nas eleições internas de 17 desetembro. Antes deste anúncio, Olmert havia decidido que nãoconcorreria nas eleições internas. As notícias deixaram ospolíticos israelenses em polvorosa e podem levar as negociaçõesde paz com os palestinos e com a Síria ao limbo. "Decidi que não vou concorrer às primárias do movimentoKadima. Também não tenho intenção de intervir nas eleições",disse Olmert em um anúncio surpresa, falando de sua residênciaoficial, em Jerusalém. "Quando um novo chefe (do partido) for escolhido, vourenunciar como primeiro-ministro para permitir que eles formemum novo governo pronta e efetivamente", acrescentou Olmert. Quatro ministros do Kadima, incluindo a ministra dasRelações Exteriores, Tzipi Livni, e o ministro dos Transportes,Shaul Mofaz, já lançaram suas campanhas para subsituir Olmertno cargo de premiê. Analistas políticos dizem que o processo de substituiçãopode durar meses e adiantar as eleições nacionais. As pesquisasapontam que o líder do partido de direita Likud, BenjaminNetanyahu, poderia vencer essas eleições. O sucessor de Olmert na chefia do Kadima não assumiria ocargo de primeiro-ministro imediatamente. O substituto deve primeiro formar um governo de coalizão,um desafio que pode levar tempo e ser bem complicado, devido àsdivisões entre o parlamento. As duas maiores investigações contra Olmert suspeitam deque ele tenha aceitado suborno de um empreendedornorte-americano. Ele também teria declarado gastos com viagensduas vezes, na época em que era ministro do Comércio e prefeitode Jerusalém. Olmert nega as acusações. "Vou renunciar propriamente, de maneira responsável ehonrosa. Depois, vou provar minha inocência", disse. (Reportagem de Lalyn Fisher-Ilan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.