Presidência síria diz que vida de Mandela é lição contra tiranos

O presidente sírio, Bashar al-Assad, que há dois anos e meio enfrenta uma sangrenta rebelião contra seu governo, lamentou nesta sexta-feira a morte de Nelson Mandela, dizendo que a vida do líder sul-africano foi uma inspiração para os que lutam pela liberdade e uma lição contra os tiranos.

Reuters

06 de dezembro de 2013 | 16h37

Mandela, laureado com o Prêmio Nobel da Paz, morreu na noite de quinta-feira em sua casa em Johanesburgo, o que motivou homenagens e declarações de líderes mundiais de todos os espectros políticos.

A presidência síria se uniu ao coro com um comunicado em sua página no Facebook, na qual afirmou que o líder sul-africano era uma "inspiração em valores como amor e fraternidade humana".

"Sua história de luta se tornou uma inspiração para todas as pessoas vulneráveis do mundo, na expectativa de que os opressores e agressores aprendam a lição de que no fim são eles os perdedores", diz o texto.

O conflito sírio começou em março de 2011, como um pacífico movimento de protesto pedindo reformas democráticas, mas, depois da repressão governamental, se transformou em uma guerra civil.

(Reportagem de Alexander Dziadosz)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAMANDELALICAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.