Presidente afegão condena mortes de civis em ataque aéreo

O presidente do Afeganistão Hamid Karzaicondenou no sábado um ataque promovido pela coalizão lideradapelos EUA que seu governo diz ter matado 76 civis, a maiorparte mulheres e crianças. As mortes de civis são uma questão sensível aos afegãos,muitos dos quais sentem que as forças estrangeiras tomam poucocuidado ao promover ataques aéreos. O apoio à presença detropas internacionais está caindo e demonstrações anti-EUAirromperam no país neste sábado.Esse tema tem levado a um conflito entre o governo afegão eseus apoiadores no Ocidente, com Karzai dizendo recentementeque os ataques aéreos estrangeiros não conseguiram nada alémdas mortes de civis. "O presidente afegão Hamid Karzai condena fortemente odescoordenado ataque aéreo das forças de coalizão no distritode Shindand da província de Herat, que resultou na morte depelo menos 70 pessoas incluindo mulheres e crianças", disse ogabinete presidencial em um comunicado. O exército dos EUA diz que apenas militantes armados doTaliban foram mortos no ataque de sexta-feira. Centenas de pessoas fizeram uma manifestação em Shindand nosábado, dizendo que os norte-americanos deveriam se retirar daregião. "Nós vamos continuar nossa manifestação até que acomunidade internacional nos ouça e traga aqueles quepromoveram o ataque de ontem à Justiça", disse o ancião ShahNawaz à Reuters. Segundo as Nações Unidas, aproximadamente 700 civis forammortos nos primeiros seis meses deste ano, 255 deles pelogoverno do Afeganistão e as tropas internacionais, e o restantepor militantes do Taliban. No ataque de sexta, as aeronaves alvejavam um conhecidocomandando taliban no distrito, depois que forças afegãs e decoalizão foram atacadas por insurgentes, disse o exército dosEUA. Ainda segundo o exército, 30 militantes, incluindo umcomandante taliban, foram mortos no ataque e apenas dois civisforam feridos. O Ministério do Interior do Afeganistão disse que as forçasde coalizão bombardearam o bairro de Azizabab, no distrito deShindand, na sexta-feira, matando 76 civis, incluindo 19mulheres, sete homens e o restante crianças abaixo de 15 anos. O enviado das Nações Unidas ao Afeganistão, Kai Eide, disseestar a par do conflito e pediu que o incidente sejainvestigado "rápida e profundamente" antes que qualquerconclusão seja tomada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.