Desmond Boylan/Reuters
Desmond Boylan/Reuters

Presidente da Síria discutirá com Lula papel do Brasil no Oriente Médio

Em visita a Brasília nesta quarta, presidente sírio também firmará acordos de cooperação

Efe,

29 de junho de 2010 | 22h14

BRASÍLIA- O presidente Luiz Inácio Lula da Silva receberá nesta quarta-feira, 30, o seu colega sírio, Bashar al Assad, com quem discutirá, entre outros assuntos, o conflito no Oriente Médio, no qual o Brasil tenta exercer papel mediador.

 

Al Assad chegará a Brasília vindo de Cuba, segunda escala de seu primeiro giro pela América Latina, que também incluiu uma visita a Venezuela e será concluído na sexta na Argentina.

 

Segundo o próprio líder sírio adiantou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, um dos assuntos centrais da reunião que terá amanhã com Lula será o conflito no Oriente Médio e o papel que o Brasil pode exercer como "negociador ativo" do processo de paz.

 

"Vemos o Brasil com uma potência emergente no cenário internacional", disse al Assad, que disse acreditar que o governo Lula pode ajudar a "estabilizar" o Oriente Médio e colaborar para a abertura de novos espaços de diálogos com Israel.

 

Segundo o presidente sírio, o Brasil é um país com "credibilidade" e "pode ajudar" a propiciar um amplo diálogo no Oriente Médio, mas apontou que a "grande distância geográfica" que o separa da zona de conflito pode ser "um obstáculo".

 

Lula se empenhou pessoalmente para que o Brasil participe ativamente no processo de pacificação do Oriente Médio e se ofereceu como "mediador confiável" aos governos de Israel e Irã, assim como à Autoridade Nacional Palestina (ANP).

 

Em março, o presidente fez um giro pelo Oriente Médio, que incluiu visitas a Israel, o território palestino da Cisjordânia e onde insistiu que para avançar no caminho da paz é necessário que haja "novos atores com novas ideias".

 

À margem do conflito no Oriente Médio, fontes oficiais brasileiras disseram que Lula e al Assad abordarão diversos assuntos de relação bilateral, com ênfase no intercâmbio comercial, que no ano passado alcançou a soma de US$ 307 milhões, com a balança quase completamente inclinada a favor do Brasil. Também serão firmados acordos de cooperação nas áreas jurídica, de educação e de saúde.

 

Durante sua estada em Brasília, o presidente sírio também se reunirá com autoridades da Câmara dos Deputados e do Senado. Ao concluir suas atividades na capital, al Assad irá para São Paulo, onde se encontrará com membros da comunidade síria na quinta. Neste mesmo dia, partirá para Buenos Aires, onde será recebido na sexta pela presidente argentina, Cristina Kirchner.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.