Presidente do Líbano deve nomear premiê na quarta-feira

O presidente do Líbano, MichelSuleiman, nomeará na quarta-feira um primeiro-ministroencarregado de liderar um novo gabinete de governo a serformado depois de um acordo ter colocado fim a 18 meses deconflitos políticos nesse país. Suleiman, eleito pelo Parlamento no domingo, consultará osmembros do órgão na quarta-feira a respeito da preferênciadeles quanto ao nome do futuro premiê, afirmou o gabinetepresidencial em um comunicado. O dirigente pedirá ao candidato mais votado dentro doParlamento para formar o novo governo. O bloco majoritáriodentro do Legislativo deve escolher seu líder, Saad al-Hariri,ou o atual primeiro-ministro libanês, Fouad Siniora, paraocupar o cargo. Segundo o sistema de divisão de poder vigente no Líbano, onovo premiê precisa ser um sunita. Na semana passada, por meio da mediação do Catar, a atualcoalizão governista, aliada dos EUA, selou um acordo com aoposição encabeçada pelo Hezbollah, colocando fim a uma criseresponsável por provocar os piores conflitos internos surgidosno país desde o final da guerra civil (1975-1990). O Hezbollah, um grupo xiita aliado do Irã e da Síria,expulsou de algumas áreas os seguidores dos líderes da coalizãogovernista, entre os quais Hariri, em seis dias de combatesocorridos neste mês e nos quais foram mortas 81 pessoas. Ao falar publicamente pela primeira vez sobre o assuntodesde o fim do conflito, Sayyed Hassan Nasrallah, líder dogrupo, citou as profundas feridas deixadas dos dois lados. Oconflito alimentou as tensões existentes entre os xiitas leaisao Hezbollah e os sunitas e druzos seguidores do governo decoalizão. "A eleição do general Michel Suleiman como presidente daRepública renova as esperanças dos libaneses de que se inicieuma nova era", afirmou Nasrallah em um discurso proferido paracelebrar os oitos anos da retirada israelense do sul do Líbano. "Eu repito meu apelo por uma participação nacional everdadeira", disse Hariri, principal líder sunita do país, aotambém manifestar esperança. "Esperamos que uma nova fase comece na vida dos libanesesdepois da eleição do presidente Michel Suleiman e que abramosuma nova página na política e na reconciliação", afirmou. Caso se torne premiê, Hariri assumiria o mesmo cargo antesocupado pelo pai dele, Rafik al-Hariri, cujo assassinato, nodia 14 de fevereiro de 2005, atirou o Líbano em mais de trêsanos de crise. A eleição de Suleiman viu-se garantida como parte do acordode Doha (capital do Catar). Nas negociações, a oposiçãoconseguiu fazer com que fosse atendida sua exigência de terpoder de veto dentro do gabinete de governo. Suleiman, comandante das Forças Armadas libanesas duranteuma década, recebeu a chancela pública dos EUA, do Irã e daSíria. (Reportagem adicional de Laila Bassam, Nadim Ladki e YaraBayoumy)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.