Maya Alleruzzo/AP
Maya Alleruzzo/AP

Presidente egípcio amplia seus poderes por decreto

Morsi decreta série de emendas que tornam suas decisões e  maioria islâmica no Parlamento imunes a contestação judicial

estadão.com.br,

22 de novembro de 2012 | 14h40

CAIRO - O presidente do Egito, Mohamed Morsi, emitiu nesta quinta-feira, 22, uma série de emendas constitucionais que aumentam seu poder, concede imunidade à maioria parlamentar islâmica do país e reabrem investigações sobre abusos cometidos pelo regime de Hosni Mubarak. Além disso, Morsi promoveu também uma reforma em seu gabinete.

As emendas preveem que todas as decisões tomadas por ele desde a posse, em julho, não podem ser contestadas judicialmente até que uma nova Constituição seja referendada.

A Assembleia Constituinte do país e a Câmara Alta do Parlamento, controlada por partidos islâmicos leais ao presidente, foram declaradas imunes a possíveis dissoluções decretadas pela Justiça, controlada em parte por aliados do ex-ditador Hosni Mubarak.

O presidente ainda ordenou um novo julgamento para membros do antigo regime acusados de matar manifestantes que protestaram contra o ex-ditador, em 2011. A família dos mortos receberá uma pensão.

Morsi também reivindicou para si o poder de nomear o procurador-geral do Egito por um período de quatro anos. O escolhido foi o juiz Talaat Ibrahim Mohamed Abdullah.

A decisão ocorre em meio a protestos populares no Cairo. Há quatro dias, manifestantes e a polícia tem se enfrentado nas ruas da capital egípcia. No front externo, Morsi ganhou força ao intermediar um cessar-fogo entre Israel e o Hamas, após oito dias de conflito na Faixa de Gaza. 

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.