Presidente iraniano não negou existência de gays, diz assessor

O presidente do Irã foi mal interpretadopela imprensa ocidental quando foi dito que ele afirmou nãohaver homossexuais em seu país, já que a intenção teria sidodizer que não há tantos quantos nos Estados Unidos, afirmou umassessor presidencial nesta quarta-feira. Falando na Universidade de Columbia, em Nova York, no mêspassado, o presidente Mahmoud Ahmadinejad respondeu a umapergunta sobre homossexuais na República Islâmica declarandoque "no Irã não temos homossexuais como em seu país". Através de um tradutor, ele também afirmou que "no Irã nãotemos esse fenômeno". Os comentários provocaram fortes críticas nos paísesocidentais. No Irã, o homossexualismo pode ser punido com a morte. "O que ele (Ahmadinejad) disse é que, comparado com asociedade americana, não temos tantos homossexuais", afirmou oassessor de imprensa Mohammad Kalhor. Segundo ele, devido a diferenças históricas, religiosas eculturais, a homossexualidade é menos comum no Irã e no mundoislâmico que no Ocidente. (Por Andrew Marshall e Parisa Hafezi)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.