Presidente libanês pede que premiê forme governo

Oposição liderada pelo Hezbollah considera inaceitável que Fuad Siniora escolha o gabinete de Michel Suleiman

Agência Estado e Associated Press,

28 de maio de 2008 | 13h39

O novo presidente do Líbano, Michel Suleiman, ignorou as restrições da oposição e pediu nesta quarta-feira, 28, que primeiro-ministro interino Fuad Siniora forme um novo governo. Suleiman indicou Siniora para manter-se na função depois de a maioria parlamentar pró-Ocidente ter decidido, no fim da noite de terça-feira, apoiá-lo.   A oposição liderada pelo Hezbollah considerou a indicação inaceitável e qualificou Siniora como um empecilho à reconciliação nacional. As facções rivais libanesas aceitaram formar um governo de unidade nacional como parte de um acordo mediado pela Liga Árabe para encerrar uma crise política que durou um ano e meio e deixou o país à beira de uma nova guerra.   Apesar de rejeitar a indicação, o Hezbollah e seus aliados - o grupo do presidente do Parlamento Nabih Berri e o bloco cristão de Michel Aoun - manifestou descontentamento com a sugestão da maioria, mas não dispõe de votos suficientes para impedir a aprovação do nome de Siniora.   O novo presidente do Líbano iniciou nesta quarta as consultas a deputados para a formação de um governo de unidade nacional, em respeito a um acordo mediado pela Liga Árabe para encerrar uma crise política que durou um ano e meio e deixou o país à beira de uma nova guerra.   Pelo sistema de partilha de poder existente no Líbano, a presidência do país cabe a um cristão maronita, a chefia de governo a um muçulmano sunita e a presidência do Parlamento a um xiita.

Tudo o que sabemos sobre:
Líbano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.