Presidente sírio chega ao Irã para negociar questão nuclear

Prazo dado pela União Européia para o país abandonar projeto acaba hoje, mas pode ser ampliado

REUTERS

02 de agosto de 2008 | 13h15

O presidente sírio, Bashar al-Assad, chegou em Teerã neste sábado poucas semanas depois de ter dito à França que usaria suas boas relações com o Irã para ajudar a resolver o impasse nuclear do país com o Ocidente.    Veja tambémUE pode aumentar prazo para Irã abandonar projeto nuclearEspecial: o programa nuclear iranianoA visita de dois dias de Assad ao Irã coincide com o fim de um prazo informal dado por autoridades de países ocidentais sobre a polêmica do programa nuclear da República Islâmica, que os Estados Unidos suspeitam ser direcionado para a construção de armas nucleares. O Irã alega que o programa tem fins pacíficos. Assad deve se encontrar com o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, e outras autoridades. As potências ocidentais deram ao Irã duas semanas a partir de 19 de julho para responder a uma oferta de paralisação da expansão da atividade nuclear em troca do veto de novas sanções da Organização das Nações Unidas ao país. Isso sugere que o prazo vence neste sábado, embora a Rússia, um dos seis países que negociam com o Irã, tenha discordado em estabelecer um prazo para a resposta. O Ocidente acusa o Irã de procurar construir ogivas nucleares sob o disfarce de um programa de energia civil. O país, quarto maior produtor de petróleo do mundo, nega a acusação. Em visita a Paris no mês passado, Assad afirmou que responderia ao pedido do presidente francês, Nicolas Sarkozy, de usar suas boas relações com o Irã para ajudar a resolver o embate. Ele também disse em 14 de julho que um ataque contra o Irã traria graves consequências para os Estados Unidos, Israel e o mundo. Washington afirma querer uma solução diplomática para o impasse, mas não descartou uma ação militar caso a diplomacia não resolva. O Irã, cuja recusa em interromper suas atividades nucleares fez o país receber três rodadas de sanções da ONU desde 2006, rejeitou a suspensão dos trabalhos no passado e não deu indicações de que está preparado para congelar o programa agora. (Por Fredrik Dahl)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAASSADNUCLEAR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.