Presos palestinos fazem acordo para acabar com greve de fome

Prisioneiros palestinos em Israel aceitaram, nesta segunda-feira, um acordo mediado pelo Egito que visa acabar com uma greve de fome em massa que despertou críticas sobre a política israelense de detenção sem julgamento e ameaçava causar um derramamento de sangue se algum dos manifestantes morresse.

NIDAL AL-MUGHRABI, REUTERS

14 Maio 2012 | 13h59

Cerca de 1.600 prisioneiros, um terço dos 4.800 palestinos em prisões israelenses, começaram a recusar alimentos em 17 de abril em um protesto que também incluiu demandas por mais visitas da família e o fim do confinamento solitário.

A campanha pacífica chamou a atenção para a chamada "detenção administrativa", uma prática que tem atraído críticas internacionais, e despertou temores de uma reação palestina violenta se algum dos manifestantes morresse.

Uma autoridade egípcia envolvida nas negociações disse que, sob o acordo desta segunda para acabar com a greve de fome, Israel concordou em acabar com o isolamento de 19 presos e suspendeu uma proibição a visitas de parentes dos presos que vivem na Faixa de Gaza, área governada pelo Hamas.

Israel também concordou em melhorar as condições de detenção e de libertar os presos assim que eles cumprirem o prazo das "detenção administrativa" --normalmente de seis meses-- a menos que eles sejam julgados, de acordo com a autoridade.

O porta-voz do Hamas Sami Abu Zuhri confirmou o acordo. Ele disse à Reuters que "os prisioneiros assinaram o acordo depois que suas exigências foram atendidas."

Israel também confirmou o acordo. "Um acordo foi assinado para encerrar a greve de fome de 28 dias dos prisioneiros palestinos", disse a Autoridade Carcerária de Israel em comunicado.

As visitas de parentes de Gaza foram suspensas depois que o soldado israelense Gilad Shalit foi capturado por militantes palestinos e levado para o território controlado pelo Hamas em 2006. Ele foi libertado em outubro passado em troca de mais de 1.000 prisioneiros palestinos.

Mais conteúdo sobre:
ORMED PALESTINOS PRESOS ACORDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.