Primeiro-ministro diz que Al Qaeda está enfraquecida no Iraque

Militantes da Al Qaeda no Iraque estãoenfraquecidos e não têm as bases de que precisam para planejare executar ataques, disse o primeiro-ministro iraquiano Nurial-Maliki em entrevista à televisão canadense na terça-feira. Maliki, duramente criticado pelos Estados Unidos por nãofazer o bastante para restabelecer a ordem no Iraque e por nãoconseguir abrir caminho para a estabilidade política, disse queforam feitos "imensos progressos" na melhoria da segurança. "O que me leva a acreditar que haverá mais progressos é ofato de a Al Qaeda não comandar mais nenhuma base na qual elapode viver, se organizar, planejar e executar ataquesterroristas", disse o premiê à Canadian Broadcasting Corp. "Ela perdeu sua base e as condições de segurança que aajudavam a executar essas operações", disse Maliki por meio deum intérprete. Os Estados Unidos dizem que a Al Qaeda é um dos gruposmilitantes que operam no Iraque planejando ataques contra suastropas. Maliki disse que a perseguição à Al Qaeda tem sido parte deum plano para evitar que o grupo reconstrua suas células. "Issonos dá indicações e confiança de que nossa contínua caçada vaidissolver o que resta da Al Qaeda", disse. O principal comandante norte-americano no Iraque, generalDavid Petraeus, disse, em depoimento ao Congresso nesta semana,que os progressos feitos no Iraque permitem a retirada de 30mil soldados dos EUA do país em julho do ano que vem. O governoiraquiano concorda. "A retirada não será repentina nem maior do que asnecessidades de segurança do Iraque. Ela será apropriada eproporcional à necessidade de ter essas tropas", disse Maliki. O premiê afirmou que as forças iraquianas precisam de maistempo para assumir responsabilidade integral pela segurança eoutras autoridades iraquianas alertaram que uma retirada súbitados militares norte-americanos deflagraria uma guerra civil. (Por David Ljunggren)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.