Primeiro-ministro do Iraque apela contra resultado das eleições

Para al-Maliki, houve irregularidades no pleito vencido pela coalizão Iraqiya, opositora de seu partido

31 de março de 2010 | 18h06

Reuters

 

BAGDÁ- O primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, afirmou nesta quarta-feira, 31, que seu partido apelou formalmente contra o resultado das eleições parlamentares do país, medida que pode atrasar ainda mais a formação de um novo governo.

 

Veja também:

linkClérigo anti-EUA incita realização de referendo para escolher premiê do Iraque

 

Maliki, da coalizão Estado de Direito, que ficou em segundo lugar no pleito, disse que a apelação a um painel eleitoral de três juízes era necessária para esclarecer as dúvidas sobre as eleições.

 

"Quero sinalizar que houve confusão nos resultados eleitorais", disse o premiê em uma coletiva de imprensa.

 

"Esperaremos para ver o que dizem as instituições legais e judiciais sobre esse assunto. Todos deveriam ser obrigados a cumprir a decisão que venha delas", acrescentou.

 

Maliki lamentou várias vezes sobre o que considera irregularidades na votação. A ONU e outros observadores internacionais afirmaram que as eleições foram críveis e justas.

 

 

O bloco do atual premiê está estancado em conversações com a facção de Moqtada al-Sadr, um clérigo anti-americano. Um acordo converteria o grupo formado pelos dois blocos na maior força do Parlamento, deixando a Iraqiya do ex-premiê Iyad Allawi, ganhadora das eleições, sem maioria na casa.

 

A Iraqiya conseguiu 91 cadeiras no Parlamento, enquanto o bloco de Maliki alcançou 89. Para se formar um governo no país, é necessário 163 assentos.

 

Os iraquianos esperavam que os comícios estabilizariam o país após anos de guerra, mas o resultado leva a semanas e possivelmente meses de conversações difíceis, potencialmente divisórias, para formar um governo.

 

A violência sectária explodiu após a última eleição parlamentar em 2005, quando os políticos levaram 5 meses para formarem um governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.