Princesa saudita recebe asilo no Reúno Unido por adultério

Jovem obteve condição de refugiada após alegar que ela e a criança poderiam ser punidos com a morte no país

Efe,

20 de julho de 2009 | 09h17

Uma princesa saudita que teve um filho com um amante no Reino Unido recebeu em segredo asilo no país, após argumentar que podia ser condenada à morte se voltasse a Riad. A jovem, cujo nome não foi divulgado por decisão dos tribunais, obteve a condição de refugiada após dizer a um juiz que seu caso podia ser punido com a morte por apedrejamento na Arábia Saudita, informou nesta segunda-feira, 20, o jornal The Independent.

 

Este é só um caso dos vários protagonizados por cidadãs sauditas no país e que não são divulgados normalmente por nenhum dois governos reconhecer abertamente. Segundo fonte diplomáticas britânicas, a denúncia por parte das autoridades britânicas evidenciaria a perseguição de que são alvo as mulheres na Arábia Saudita e seria interpretada como uma crítica aberta à Casa Real saudita.

 

A mulher, que pertence a uma família saudita muito rica, conheceu um inglês não muçulmano durante uma visita a Londres e manteve relações sexuais com ele. Após engravidar, preocupada com o fato de o marido, membro da Casa Real Saudita, suspeitar de seu comportamento, ela o convenceu a deixá-la viajar ao Reino Unido para dar à luz nesse país.

 

Depois do parto, a princesa convenceu os tribunais que tanto ela quanto o filho corriam o risco de ser condenados à morte, de acordo com a sharia ou lei islâmica. Desde que fugiu do país árabe, sua própria família rompeu todos laços com ela, segundo declarou ao juiz.

 

A princesa recebeu permissão de residência permanente no Reino Unido após a sentença favorável do tribunal para a Imigração e o Asilo. Fontes do Ministério do Interior britânico se negaram a comentar o caso.

Tudo o que sabemos sobre:
Arábia SauditaReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.