Procuradoria diz que não há provas de crimes de Israel em Gaza

Investigação de denúncias sobre casos de assassinatos de palestinos em ofensiva é encerrado; 1,4 mil morreram

Efe,

30 de março de 2009 | 19h52

A Procuradoria Militar de Israel fechou nesta segunda-feira, 30, a investigação de uma série de supostos casos de assassinato de palestinos por parte de soldados israelenses durante a ofensiva que Israel realizou em Gaza entre dezembro e janeiro. O Exército informou que o procurador militar, Avi Mendelblit, encerrou a questão após uma investigação da Polícia Militar, ao considerar que não há provas de crimes nos relatos que foram denunciados e que os soldados que prestaram depoimento não eram testemunhas diretas dos fatos.

 

Veja também:

linkViolência contra civis em Gaza é 'rumor', diz Exército de Israel

linkTática em Gaza causou morte de civis, admite militar israelense

linkLinha do tempo multimídia dos ataques em Gaza 

 

Pelo menos 1.400 palestinos, a maioria civis, morreram na ofensiva israelense, entre eles muitos menores. Isso fez com que organizações de direitos humanos locais e internacionais acusassem Israel de ter cometido crimes de guerra.

 

Em Israel, o escândalo ganhou força há duas semanas, quando a imprensa local expôs os depoimentos de vários soldados e oficiais durante uma conferência a cadetes de uma academia de preparação militar.

 

Segundo os depoimentos, um comandante "ordenou que se disparasse e matasse uma idosa palestina que caminhava por uma estrada a 100 metros da casa que os soldados tinham expropriado", o que definiu como "assassinato a sangue frio."

 

Mendelblitt assegura que a investigação determinou que estes e outros relatos foram ouvidos de terceiros, e que nenhuma das pessoas que fizeram as denúncias testemunharam os fatos.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelGaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.