Protesto contra queima do Alcorão termina em tumulto no Irã

Estudantes iranianos e membros da milícia Basij entraram em confronto com a polícia nesta segunda-feira em frente à embaixada da Suíça em Teerã, durante protestos contra um pastor norte-americano que ameaçou queimar exemplares do Alcorão.

REUTERS

13 de setembro de 2010 | 17h02

O Irã não tem relações diplomáticas com os EUA, e os interesses norte-americanos são representados pela embaixada suíça.

Gritando "morte à América" e "o pastor dos EUA deve ser morto", os manifestantes apedrejaram a embaixada e entraram em confronto com cerca de 300 membros da tropa de choque que protegiam o local.

Embora o pastor Terry Jones tenha desistido de queimar o Alcorão no último 11 de setembro, aniversário dos atentados de 2001 nos EUA, o plano dele gerou uma reação internacional, inclusive com protestos violentos no Afeganistão e na Caxemira indiana.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, disse nesta segunda-feira que a ideia de queimar exemplares do livro sagrado dos muçulmanos seria "insana e odiosa", e atribuiu o plano aos "sionistas que trabalham dentro do governo norte-americano."

Segundo ele, "para provar que não estava envolvido... o governo norte-americano deveria punir apropriadamente as principais figuras por trás desse grande crime."

Tudo o que sabemos sobre:
IRAALCOROPROTESTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.