Protestos políticos de sexta-feira deixaram 44 mortos na Síria, diz ONG

Agência oficial do país registrou apenas 17 mortes

Efe

21 de maio de 2011 | 08h15

Cairo, 21 mai (EFE).- A Organização Nacional de Direitos Humanos informou que 44 pessoas morreram nesta sexta-feira na Síria pela "violência sistemática" e o uso de munição real para reprimir os protestos políticos.

Veja também:

blog GUSTAVO CHACRA: Levantes não seguem linha sectária

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

A ONG é dirigida por Ammar Qurabi, que passou a viver no Cairo há algumas semanas e é um dos poucos ativistas de direitos humanos que não foi preso pelas forças de segurança do regime de Bashar al Assad.

Os protestos na Síria começaram em meados de março e costumam se intensificar todas as sextas-feiras.

Um comunicado da organização fornece os nomes das 44 vítimas fatais na repressão policial de ontem. Destas, 26 morreram na província de Edlib (norte) e 13 em Homs (centro), enquanto os demais pereceram em outros locais do norte, centro e sul do país.

Em sua nota, a ONG condena energicamente a violência exercida "contra civis desarmados de uma maneira sem precedentes até nos mais duros regimes ditatoriais e totalitários".

A organização também condena "as detenções arbitrárias em todas as cidades sírias depois de o presidente da República ter decretado o fim da lei de emergência no país".

Segundo o grupo, 12 dirigentes e membros de uma organização política curda foram detidos nesta sexta-feira no nordeste do país e têm agora paradeiro desconhecido.

A ONG lembra as reivindicações que vêm fazendo os grupos de direitos humanos desde o início dos protestos políticos, que incluem, entre outras, a investigação destes assassinatos e a libertação dos presos políticos.

A agência oficial síria, por sua vez, informou neste sábado que 17 pessoas, entre elas civis e membros das forças de segurança, morreram ontem em consequência dos disparos de "grupos armados" em Edlib e Homs.

A informação oficial, que cita fontes militares e do Ministério do Interior não identificadas, diz que "grupos de sabotadores" queimaram edifícios públicos e destruíram propriedades privadas.

Outra nota divulgada neste sábado pela mesma agência informou da detenção de uma "célula terrorista" na localidade de Al Dumar, 40 quilômetros ao nordeste de Damasco, na quinta-feira, com a qual foi apreendida uma "grande quantidade de armas, munição e explosivos".

Segundo cálculos de ativistas de direitos humanos, desde que começaram os protestos políticos na Síria morreram cerca de 1 mil pessoas - em sua maioria civis - e milhares de outras foram detidas.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaPrimavera Árabe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.