Próximos meses serão vitais para o Iraque, diz general dos EUA

Os próximos três ou quatro meses serãovitais para determinar se a violência no Iraque pode sercontrolada e se a segurança pode ser mantida com menos soldadosnorte-americanos, informou na terça-feira o comandante númerodois do Exército dos Estados Unidos no Iraque. O tenente-general Raymond Odierno disse na semana passadaque notou um número menor de incidentes violentos contra civise contra as forças de segurança no Iraque nos últimos 15 meses. O presidente dos EUA, George W. Bush, em uma visitasurpresa ao Iraque na segunda-feira, falou sobre a perspectivade reduzir o número de tropas depois de se encontrar comimportantes comandantes em uma base aérea no deserto daprovíncia de Anbar. "Acho que os próximos três ou quatro meses são críticos",disse Odierno, chefe de operações do Exército dos EUA emIraque. "Acho que se continuarmos a fazer o que estamos fazendo,vamos chegar a um certo nível onde pensamos que podemos fazerisso com menos tropas", disse Odierno a um pequeno grupo derepórteres estrangeiros, em uma base militar dos EUA perto doaeroporto de Bagdá. O número de ataques em agosto foi o mais baixo em 13 meses,acrescentou. Odierno não detalhou os números, mas disse que olevantamento incluía todos os incidentes violentos, como bombase tiroteios. Durante sua visita de sete horas ao Iraque, Bush seencontrou com o comandante máximo no Iraque, general DavidPetraeus, e com o embaixador Ryan Crocker. A dupla deveentregar na próxima semana seu relatório sobre a estratégiapara o Iraque ao Congresso. (Reportagem adicional de Ross Colvin)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.