Putin compara decisão da ONU às cruzadas medievais; Medvedev o critica

Em raro momento de discordância, atual presidente repreende declarações de seu antecessor e mentor político sobre os ataques das forças ocidentais às tropas de Kadafi

estadão.com.br

21 de março de 2011 | 09h56

VOTKINSK, RÚSSIA - A ação militar contra a Líbia aprovada pelo Coneslho de Segurança da ONU gerou discordância até mesmo na dupla que costuma agir - e pensar - em conjunto: os russos Vladimir Putin e Dimitri Medvedev. O atual primeiro ministro comparou nesta segunda-feira os ataques contra o coronel Kadafi pelas forças do Ocidente às convocações medievais pelas cruzadas. Pouco depois, seu substituto na presidência da Rússia criticou o antecessor.

 

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

 "De forma alguma é aceitável usar expressões que, na essência, levam ao choque de civilizações, como cruzadas - isso é inaceitável", disse Medvedev, que está em sua casa de campo próxima a Moscou.

Putin, no primeiro pronunciamento importante de um líder russo desde que a coalizão de países ocidentais começou os ataques aéreos contra a Líbia, disse que o governo de Kadafi estava aquém da democracia, mas acrescentou que isso não justificava uma intervenção militar.  "A resolução é defeituosa e falha", disse Putin a trabalhadores em uma fábrica de mísseis balísticos da Rússia. "Ela permite tudo. É semelhante às convocações medievais para as cruzadas."  

 

Medvedev, por sua vez, foi moderado nas suas declarações, e não fez críticas diretas à medida tomada pela ONU. "Não considero incorreta a resolução. Considero que a resolução reflete nossa compreensão dos acontecimentos que acontecem na Líbia. Mas não em tudo. Por isso não usamos nosso direito a veto", ponderou Medvedev.

 

A Rússia, membro permanente do Conselho de Segurança com poder de veto, se absteve da votação de quinta-feira na qual o conselho autorizou uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia e "todas as medidas necessárias" para proteger civis contra as forças de Kadafi.

 

Putin disse aindaque a interferência nos assuntos internos de outro país se tornou uma tendência da política externa norte-americana e que os eventos na Líbia indicavam que a Rússia deveria fortalecer seus próprios recursos de defesa.

 

Irã. O aiatolá Ali Kamenei, líder supremo do Irã também condenou nesta segunda a intervenção militar na Líbia. Para ele, os países ocidentais buscam "apoderar-se do petróleo" abundante na região.

 

 

 

(com Reuters, Efe e AP)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.