Quanto mais soldados no Afeganistão, maior a violência, diz Otan

Uma proposta dos Estados Unidos para enviar mais tropas ao sul do Afeganistão levará a um aumento da violência no curto prazo antes que se possa impor estabilidade à região, disse o vice-comandante das forças da Otan no país na quarta-feira. Enfrentando duros levantes e o pior ano de violência desde que o Taliban foi deposto, em 2001, os EUA vão enviar mais 3 mil soldados em janeiro. Caso o presidente eleito Barack Obama concorde, o número pode aumentar para 20 mil nos próximos 12 a 18 meses. A chegada de mais soldados "provocará uma intensificação da violência no curto prazo", disse em uma entrevista coletiva o tenente-general Jim Dutton, vice-comandante das forças lideradas pela Otan no Afeganistão. O secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, disse na semana passada que as tropas no sul "estão se garantindo", mas que isso não é o suficiente. "O nível de incidentes e violência aumenta quando se coloca pela primeira vez soldados em uma área, isso deve ser esperado e até mesmo de alguma forma bem-vindo porque é esse o propósito de ir até lá em primeiro lugar", disse Dutton. Cerca de 8 mil soldados britânicos na província de Helmand, no sul, e mais de 2.500 canadenses na província vizinha de Kandahar são quase insuficientes na luta com o Taliban, dizem analistas militares. Muitas mortes ocorreram em razão da falta de helicópteros e aviões para transporte de soldados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.