Queda de violência em Bagdá é sustentável, diz general dos EUA

A redução no nível de violênciaverificada em Bagdá nos últimos meses representa uma tendênciasustentável capaz de permitir que um número menor de soldadosnorte-americanos proteja a capital iraquiana, afirmou umgeneral dos EUA na quarta-feira. O major-general Joseph Fil, comandante das forçasnorte-americanas em Bagdá, disse que o grupo Al Qaeda no Iraquenão controlava mais nenhuma parte da cidade de 7 milhões dehabitantes. O grupo foi responsabilizado pela maior parte dosgrandes atentados com carro-bomba nos quais morreram milharesde pessoas. A ação de esquadrões da morte na cidade também diminuiu 80por cento em relação a seu nível máximo. E os ataquesrealizados com bombas plantadas ao lado de ruas e estradascaíram 70 por cento, afirmou Fil a repórteres estrangeiros semdivulgar datas específicas. "Acho que veremos o dia em que, com certeza, precisaremosde menos soldados da coalizão em Bagdá", disse. Questionado sobre quando isso aconteceria, o generalrespondeu: "Já nos encontramos em um ponto no qual aumentará onúmero de forças que deixam a cidade, no qual veremos uma quedanatural desses números. Sinto-me bastante confiante a respeitodisso, em vista do nível atual de violência." O presidente dos EUA, George W. Bush, aumentou em 30 milsoldados o contingente militar de seu país no Iraque, no começodeste ano, em um esforço final para impedir que o territórioiraquiano mergulhasse em uma guerra civil e a fim de dar àsforças políticas iraquianas a oportunidade para que sereconciliassem. A maior parte das tropas adicionais foi estacionada emBagdá ou nas cercanias da cidade. Algumas dessas unidadessairão dali nos próximos meses, segundo prevê um planosancionado por Bush no começo de setembro. Segundo esse plano, o número de soldados norte-americanosno Iraque cairá em algo entre 20 mil a 30 mil até a metade dopróximo ano de um total de 170 mil atualmente. Fil disse que a queda no nível de violência em Bagdá era umganho sustentável. "Acredito que se trata de algo sustentável e isso porque,em primeiro lugar, estamos trabalhando com as forças iraquianasagora em literalmente todos os cantos da cidade", afirmou. "Mas também devo dizer que Bagdá é um lugar perigoso e quea Al Qaeda, apesar de estar sob pressão, continua a respirar ese fortalecerá novamente se permitirmos que isso aconteça." Segundo o general, o nível de violência vinha caindo mês amês depois de atingir um pico em junho. No entanto, à medida que um número menor de soldados dacoalizão se fizer necessário, será necessário um número maiorde soldados iraquianos para preencher os espaços vazios,afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.