Quem atacar o Irã vai se arrepender, afirma Ahmadinejad

Comentário pode ter sido endereçado à França, que disse que seu programa nuclear poderia levar a uma guerra

BBC BRASIL,

22 de setembro de 2007 | 11h41

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, fez neste sábado uma dura advertência a qualquer país que tenha planos de atacar o Irã - nas palavras do líder "qualquer um que atacar não vai viver nada além de arrependimento".  O comentário parece ter sido endereçado à França, que ao longo da semana disse que o impasse sobre o programa nuclear iraniano poderia levar a uma guerra. O primeiro-ministro francês Bernard Kouchner acabou, entretanto, aparentemente voltando atrás nas declarações. Em um discurso durante uma parada militar anual na capital iraniana, Teerã, na qual foram exibidas as últimas aquisições em equipamento bélico do país, Ahmadinejad destacou que o arsenal iraniano é apenas para defesa. "Aqueles que evitaram que o Irã conseguisse até mesmo arame farpado, no auge da guerra contra o Iraque, agora têm que ver que todo o equipamento em exibição hoje foi construído pelas poderosas mãos e cérebros dos especialistas das Forças Armadas iranianas", disse Ahmadinejad, antes de acrescentar: "Aprendam a lição com os erros anteriores. Não repitam os seus erros."  O presidente também disse que "os ocupantes" - referindo-se aos Estados Unidos e os seus aliados no Oriente Médio - deveriam "ter a coragem de admitir a derrota e abandonar a região para que a ordem seja restabelecida". A parada militar lembra a guerra contra o Iraque, na década de 80, mas as autoridades aproveitaram para exibir o novo míssil de longo alcance iraniano, o Ghadr, que poderia atingir alvos a quase dois mil quilômetros de distância, segundo os militares. Além disso, foram apresentados os primeiros caças construídos no Irã, os Saegheh. Na semana que vem, Ahmadinejad viaja a Nova York para participar da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Analistas dizem que o presidente iraniano acredita estar ganhando a batalha pela opinião pública mundial e quer dar mais um passo nessa direção em Nova York.

Tudo o que sabemos sobre:
AhmadinejadIrã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.