Rebeldes anunciam conquista de outra cidade no litoral da Líbia

Sabratha torna-se mais uma rota de abastecimento de Trípoli sob controle dos insurgentes

Reuters

18 de agosto de 2011 | 15h08

SABRATHA - As forças rebeldes da Líbia comemoraram nesta quinta-feira, 18, a captura de Sabratha, cidade situada na estrada costeira entre a fronteira com a Tunísia e a capital, Trípoli. A consquita ocorreu após uma batalha de quatro dias com as tropas leais ao coronel Muamar Kadafi.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

 

 

A tomada da cidade deve fortalecer o controle dos insurgentes sobre as linhas de abastecimento que vão da Tunísia até a capital. Perto do início da semana eles já haviam tomado a cidade de Zawiyah, próxima a Trípoli. Os insurgentes dizem que pretendem cercar o ditador e forçar sua renúncia.

 

 

Uma equipe da Reuters em Sabratha, que fica menos de 100 quilômetros a oeste de Trípoli, disse que um grupo de 200 rebeldes estava no centro da cidade atirando para o alto, em comemoração.

Combatentes e moradores disseram que os rebeldes agora controlam 90% da antiga cidade romana de Sabratha e haviam acabado de expulsar as forças leais a Kadafi para fora do distrito de Telel. Eles disseram que a batalha pela cidade vinha ocorrendo havia três ou quatro dias.

Um morador declarou que o avanço ocorreu quando a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) bombardeou uma instalação de treinamento militar no centro de Sabratha. Depois desse ataque, os rebeldes invadiram a instalação e tomaram as armas.

 

Kadafi enfrenta desde fevereiro uma insurreição para derrubar seu regime, que já dura mais de 40 anos. Os rebeldes estabeleceram seu órgão provisório de governo no leste do país e têm travado uma sangrenta guerra civil contra as tropas do ditador, avançando gradativamente em direção a Trípoli, onde suspeita-se que o coronel esteja.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.