Rebeldes dizem que ataques de Kadafi continuam apesar de cessar-fogo

Cidades de Misrata e Ajdabyia foram alvos de bombardeios; rebeldes contra-atacaram no oeste

REUTERS

18 de março de 2011 | 11h01

Fontes rebeldes da Líbia disseram que as forças do ditador Muamar Kadafi continua bombardeando a cidades dominadas pela oposição, apesar do anúncio de cessar-fogo feito pelo governo.  A chancelaria líbia havia declarado o fim das hostilidades contra os rebeldes no começo da manhã desta sexta-feira, 18. Ontem, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou uma resolução que permite uma intervenção militar contra Kadafi.  

Veja também:

 especial Linha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Gustavo Chacra: Votação mostra nova ordem geopolítica

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especial Infográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio 

 

 

De acordo com o porta-voz do Conselho de Governo Interino, principal grupo rebelde,  Mustafa Gheriani, os ataques prosseguem em Misrata e Ajdabyia. Rebeldes teriam atacado arsenal militar em Nalud e Zintan, no oeste da Líbia, nessa madrugada. Foram  sete horas de conflitos.

 

Khalifa Heftir, um comandante dos rebeldes que lutam para derrubar Kadafi, disse hoje que o anúncio do governo de um cessar-fogo imediato "não é importante para nós".

 

Segundo Heftir, Kadafi está "blefando" com a declaração. "Kadafi não fala nenhuma verdade... Todo o mundo sabe que Muamar Kadafi é um mentiroso", afirmou Heftir. "Ele e seus filhos, e sua família, e todos os que estão com ele são mentirosos".

O ministro das Relações Exteriores da Líbia, Musa Kusa, anunciou nesta sexta-feira, 18, cessar-fogo e a interrupção de todas as operações militares no país. Segundo Kusa, a medida foi tomada como forma de proteger a população civil da Líbia.

 

"A Líbia agora tem o conhecimento desta resolução, e de acordo com o artigo 25 da Carta das Nações Unidas, e levando em consideração que a Líbia é um membro plena da ONU, nós aceitamos a resolução do Conselho de Segurança", disse o ministro em um discurso transmito pela televisão líbia. 

 

"Dessa maneira, a Líbia decidiu um cessar-fogo imediato, e a interrupção de todas as operações militares".

 

Leia ainda:

link Intervenção pode ser prejudicial, diz Brasil

linkExclusão aérea foi imposta ao Iraque nos anos 90

linkLíbia vai libertar repórteres do NYT

linkHillary diz que palavras não bastam

Colaborou Andrei Netto, correspondente do Estado em Paris

 

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAFOGUETESLANCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.