Rebeldes dizem que Otan matou filho de Gaddafi, mas governo nega

Rebeldes líbios disseram na sexta-feira que um bombardeio aéreo da Otan matou um filho de Muammar Gaddafi, Khamis, que comandava uma das unidades militares mais leais e bem equipadas do regime, mas o governo líbio nega a informação.

ROBERT BIRSEL, REUTERS

05 de agosto de 2011 | 08h39

Um porta-voz rebelde disse que o bombardeio matou 32 pessoas em Zlitan, cidade que está na linha de frente, a 160 quilômetros de Trípoli, e que supostamente estava sendo defendida pela 32a Brigada do Exército, sob comando de Khamis Gaddafi.

Há pouco, contudo, um porta-voz do governo líbio afirmou que a notícia da morte do filho mais novo de Gaddafi era "falsa". "Eles inventaram a notícia sobre o sr. Khamis Gaddafi em Zlitan para cobrir os assassinatos deles", disse Moussa Ibrahim à Reuters. "Esse é um truque sujo para cobrir o crime deles em Zlitan e o assassinato da família al-Marabit (uma família líbia)."

A Otan ainda não confirmou o relato da morte de Khamis. Na quinta-feira, a aliança ocidental havia informado que atacou um alvo de comando e controle na área.

Se for verdade, a morte de Khamis seria um duro golpe na campanha de Gaddafi para resistir à insurgência iniciada há seis meses. Meses atrás, segundo o governo líbio, um bombardeio da Otan, em Trípoli, matou outro filho de Gaddafi, Saif al Arab, e três netos do dirigente.

Não seria a primeira vez que Khamis é dado como morto no conflito. Em março, a mídia árabe divulgou que Khamis havia morrido em um acidente kamikaze causado por um piloto da força aérea líbia.

Na quinta-feira, no lado oeste de Zlitan, funcionários pró-Gaddafi mostraram a jornalistas os corpos de duas crianças que teriam sido mortas durante o dia em um bombardeio da Otan.

Não havia sinais de infraestrutura militar no local. Foi impossível para os jornalistas confirmarem o relato oficial de forma independente.

Uma fonte da Otan no QG operacional da aliança, em Nápoles, disse na quinta-feira: "Atingimos um alvo militar por volta de 6h30 desta manhã, e era um local de comando e controle."

"Sempre levamos a sério as alegações de vítimas civis, e estamos examinando isso, mas não temos evidência a esta altura de que isso tenha sido causado por um bombardeio," disse o porta-voz.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAGADDAFIFILHO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.