Rebeldes dizem ter capturado parte de Sabha, cidade leal a Kadafi

Revolucionários continuam ofensiva contra redutos do ditador para 'libertar a Líbia' completamente

Reuters

19 Setembro 2011 | 13h49

TRÍPOLI - Combatentes do governo interino da Líbia tomaram o aeroporto e um forte em Sabha, cidade no deserto do Saara sob controle das tropas leais ao ditador Muamar Kadafi, informou Ahmed Bani, um porta-voz dos rebeldes, nesta segunda-feira, 19.

 

Veja também:
forum OPINE: 
Onde se esconde Kadafi?
especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia
lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

 

 

Bani, do Conselho Nacional de Transição (CNT), disse em entrevista coletiva em Trípoli que as forças revolucionárias capturaram as regiões durante a tarde. "Nossa bandeira está lá", afirmou.

 

 

O porta-voz ainda negou uma afirmação de um representante do governo de Kadafi de que as forças do ditador haviam capturado britânicos e franceses nos combates pela cidade de Bani Walid. "Não há prisioneiros britânicos ou franceses", na cidade, disse ele.

 

Sabha é uma das maiores cidades do deserto líbio e é um reduto tradicional da tribo de Kadafi. Pela cidade passa a principal estrada que leva à fronteira com o Níger, um rota de fuga usada por familiares e aliados do ditador que têm deixado a Líbia devido ao avanço das tropas rebeldes.

 

Bani Walid

 

Outra cidade sob poder das tropas do coronel cercada pelos rebeldes é Bani Walid. O cerco já dura semanas, mas os revolucionários ainda não conseguiram entrar no local e enfrentam forte resistência. "Bani Walid é uma cidade entre montanhas. Como a maioria dos nossos soldados não são da região e não conhecem o local, temos algumas dificuldades", disso o porta-voz insurgente.

 

Bani ainda não comentou as informações dos rebeldes sobre o paradeiro de Kadafi, que governou a Líbia por 42 anos e está escondido desde que foi expulso de Trípoli. "Estamos preocupados em libertar a Líbia antes. Essa é nossa missão, a prioridade do povo líbio no momento. Se nós soubéssemos onde ele está, teríamos resolvido isso antes", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.