Rebeldes dizem ter capturado parte de Sabha, cidade leal a Kadafi

Revolucionários continuam ofensiva contra redutos do ditador para 'libertar a Líbia' completamente

Reuters

19 de setembro de 2011 | 13h49

TRÍPOLI - Combatentes do governo interino da Líbia tomaram o aeroporto e um forte em Sabha, cidade no deserto do Saara sob controle das tropas leais ao ditador Muamar Kadafi, informou Ahmed Bani, um porta-voz dos rebeldes, nesta segunda-feira, 19.

 

Veja também:
forum OPINE: 
Onde se esconde Kadafi?
especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia
lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

 

 

Bani, do Conselho Nacional de Transição (CNT), disse em entrevista coletiva em Trípoli que as forças revolucionárias capturaram as regiões durante a tarde. "Nossa bandeira está lá", afirmou.

 

 

O porta-voz ainda negou uma afirmação de um representante do governo de Kadafi de que as forças do ditador haviam capturado britânicos e franceses nos combates pela cidade de Bani Walid. "Não há prisioneiros britânicos ou franceses", na cidade, disse ele.

 

Sabha é uma das maiores cidades do deserto líbio e é um reduto tradicional da tribo de Kadafi. Pela cidade passa a principal estrada que leva à fronteira com o Níger, um rota de fuga usada por familiares e aliados do ditador que têm deixado a Líbia devido ao avanço das tropas rebeldes.

 

Bani Walid

 

Outra cidade sob poder das tropas do coronel cercada pelos rebeldes é Bani Walid. O cerco já dura semanas, mas os revolucionários ainda não conseguiram entrar no local e enfrentam forte resistência. "Bani Walid é uma cidade entre montanhas. Como a maioria dos nossos soldados não são da região e não conhecem o local, temos algumas dificuldades", disso o porta-voz insurgente.

 

Bani ainda não comentou as informações dos rebeldes sobre o paradeiro de Kadafi, que governou a Líbia por 42 anos e está escondido desde que foi expulso de Trípoli. "Estamos preocupados em libertar a Líbia antes. Essa é nossa missão, a prioridade do povo líbio no momento. Se nós soubéssemos onde ele está, teríamos resolvido isso antes", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.