Rebeldes encontram estoque de alimentos e remédios de Gaddafi

Combatentes rebeldes líbios descobriram grandes estoques de comida e remédios mantidos pelo regime de Muammar Gaddafi em Trípoli, que serão utilizados para aliviar a escassez no país, disse o conselho rebelde nesta quinta-feira.

ROBERT BIRSEL, REUTERS

25 de agosto de 2011 | 15h39

Os rebeldes entraram na capital esta semana após um levante de seis meses que restringiu as rotas de suprimento e causou escassez de alimentos e medicamentos em partes do país.

"Não haverá mais problemas em relação a suprimentos de alimentos, medicamentos e combustível", disse o presidente do Conselho Nacional de Transição, Mustafa Abdel Jalil, numa entrevista coletiva na cidade de Benghazi, no leste.

Ele afirmou que no quartel-general de Gaddafi em Trípoli havia comida suficiente para alimentar uma cidade de 4 milhões de habitantes -- o dobro da capital -- e remédios para o país inteiro durante um ano.

"Muammar Gaddafi impediu de propósito que os líbios tivessem acesso a esses suprimentos, fazendo com que eles passassem fome", disse Jalil, sem dar detalhes sobre onde os estoques estavam ou o que continham exatamente.

O líder dos rebeldes também disse que uma "grande quantidade" de combustível foi encontrada na refinaria de Zawiya, 50 quilômetros a oeste de Trípoli, apreendida pelos insurgentes este mês.

Os rebeldes invadiram esta semana o complexo Bab al-Aziziya, de Gaddafi, após uma operação relâmpago em Trípoli, aplicando um aparente golpe mortal ao governo de 42 anos do chamado "Irmão Líder" no país do norte da África.

Mas o paradeiro de Gaddafi permanece um mistério e as forças leais ao líder continuam a enfrentar as forças rebeldes em regiões diversas, incluindo Trípoli, Sirte -- cidade natal de Gaddafi --, Sabha e em regiões próximas à fronteira da Tunísia.

Jalil pediu que os combatentes pró-Gaddafi se unissem à revolução, dizendo que agora não tinham desculpas para não fazê-lo.

"A revolução está conquistando vitórias após vitórias dia a dia e eles precisam se unir", disse ele. "Não há mais desculpas para não se unir à revolução."

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAESTOQUES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.