Tiago Petinga/EFE - 06/03/2011
Tiago Petinga/EFE - 06/03/2011

Rebeldes líbios capturam soldados britânicos em missão secreta no país

Ministro do Reino Unido confirmou a presença de uma 'pequena equipe diplomática' na Líbia

estadão.com.br,

06 de março de 2011 | 08h44

LONDRES - Um grupo de soldados do Serviço Aéreo Especial - grupo de elite do exército do Reino Unido - foi capturado no sábado à noite em uma região do território líbio controlada pelos rebeldes que se opõem a ditadura de Muamar Kadafi, informou neste domingo o jornal The Sunday Times.

 

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos do enviado do Estado

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Os mil e um nomes de Kadafi

lista Análise:  Revoluções marcam o o retrocesso da Al-Qaeda  

 

Segundo o veículo, os oito soldados britânicos que foram capturados estavam em uma missão secreta, escoltando um diplomata que tentava fazer contato com os grupos oposicionistas.

 

Os militares teriam sido levados para Benghazi, a segunda maior cidade do país e o primeiro foco da revolta popular que abalou a Líbia nas últimas semanas. Segundo o Sunday Times, a missão do diplomata britânico era preparar o terreno para a chegada de outro diplomata do país, de grau mais alto, que negociaria apoio aos rebeldes.

 

O ministro da Defesa do Reino Unido, Liam Fox, confirmou neste domingo, 6, que uma "pequena equipe diplomática" do governo britânico está neste momento em Benghazi para tentar estabelecer contato com os rebeldes, mas indicou que não comentaria sobre a presença dos militares.

 

Fox disse que o governo está em contato com o grupo do diplomata, mas ressaltou que seria "inapropriado" revelar mais detalhes sobre a operação. "Queremos entender com clareza qual é a dinâmica (da oposição na Líbia) porque queremos trabalhar com eles e assegurar a queda do regime", afirmou. O ministro britânico ainda convocou os outros governo ocidentais a se esforçarem para descobrir o que podem fazer para influenciar a situação no país árabe. \ Com informações da EFE e da BBC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.