Rebeldes líbios enviam representantes para Niger em busca de Kadafi

Chanceler nigerino confirma que líbios entraram no país, mas nega que ditador esteja entre eles

Reuters

07 Setembro 2011 | 16h39

BENGHAZI - As lideranças rebeldes da Líbia enviaram representantes para seu vizinho Niger nesta quarta-feira, 7, a fim de evitar que o ditador líbio, Muamar Kadafi e seus aliados escapem da Justiça fugindo pelo deserto que separa os dois países.

 

Veja também:

forum OPINE: Onde se esconde Kadafi?

especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

"O Conselho Nacional de Transição enviou uma delegação para o Niger para discutir a possível chegada de Kadafi", disse à Reuters Fathi Baja, chefe de assuntos políticos do órgão de governo insurgente, em Benghazi. Ele acrescentou que o ex-líder deposto pode estar próximo das fronteiras do Niger ou da Argélia, esperando por uma oportunidade de cruzar a fronteira.

"Acredito que ele esteja perto de uma dessas fronteiras... e ele está esperando por uma chance de sair (da Líbia). Estamos pedindo a todos os países para que não o aceitem. Queremos levar estas pessoas para a Justiça", disse Baja.

 

Relatos sobre o paradeiro de Kadafi, entretanto, permanecem obscuros. Outra autoridade do Conselho disse que pistas indicavam que o ditador estava em uma área no deserto do Saara no sul da Líbia. O coronel, assim como um deseus filhos, é procurado pela Tribunal Penal Internacional, em Haia.

 

 

Refúgio

 

O ministro das Relações Exteriores do Níger, Mohamed Bazoum, confirmou também nesta quarta, em entrevista à BBC, que membros do regime líbio conseguiram se refugiar em seu país, mas negou que Kadafi estivesse entre estas pessoas.

De acordo com ele, "cerca de 20" integrantes do regime líbio conseguiram se refugiar na capital nigerina, Niamey, estão "sob controle" do governo local e serão tratados de acordo com leis internacionais de refúgio. Também terão a liberdade de ir embora se quiserem.

Como a fronteira desértica entre Líbia e Níger não pode ser fechada, "não é impossível que líbios cruzem como refugiados", disse o chanceler. "Mas não é verdade que Kadafi tenha tentado vir ou tenha vindo para cá", concluiu 

Um comboio com cerca de 50 veículos líbios fortemente armados foi visto no Níger na última terça-feira. A insurgência acredita que o grupo carregava dinheiro e ouro do regime, além de combatentes de etnia tuaregue recrutados pelo líder líbio.

Também há relatos de que o chefe de segurança de Kadafi, Mansour Daw, esteja abrigado no Níger, tendo entrado em um comboio que chegou ao país no domingo. Já a mulher do líder líbio, dois de seus filhos e sua filha se refugiaram na Argélia na semana passada, como foi confirmado por Argel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.