Esam Al-Fetori/Reuters
Esam Al-Fetori/Reuters

Rebeldes líbios estão prontos para atacar último foco de resitência de Kadafi

Correspondente da TV Al Jazeera diz que Forças do Conselho de Transição Nacional da Líbia identificaram o paradeiro de Kadafi

Reuters e Associated Press,

04 Setembro 2011 | 12h17

Os rebeldes líbios estão prontos para atacar um dos principais focos de resistência dos aliados de Kadafi, mas o porta-voz militar da oposição disse acreditar que os aliados vão evitar o confronto e se render. Os opositores ao regime de Kadafi controlam a maior parte da Líbia e elaboram um novo governo, mas evitam declarar vitória até que o coronel seja pego e que o controle total do território esteja garantido. Um correspondente da TV Al Jazeera informou nesse domingo que Forças do Conselho de Transição Nacional da Líbia identificaram o paradeiro do ditador. O repórter citou o chefe do conselho militar em Trípoli, Abdul Hakim Belhadj, mas a Al Jazeera não identificou a localização.

Já os aliados de Kadafi se fecharam em várias cidades, incluindo a de Bani Walid, que está cercada pelos rebeldes e fica a 140 quilômetros ao sudeste da capital, Tripoli. O porta-voz militar dos rebeldes, o coronel Ahmed Bani, disse que os membros da tribo Warfala, que domina Bani Walid, estão divididos quanto a defenderem Kadafi ou a se juntarem à oposição. Ele acredita que a Warfala irá se entregar para evitar uma guerra entre os membros. "Eles irão se render ao final, porque são primos e não querem derramar o sangue uns dos outros", afirmou o coronel Bani.

Defesa 'até a morte'

A tribo de Warfala corresponde a um sexto da população da Líbia. Kadafi disse em uma mensagem de áudio na semana passada que a Warfala está entre as tribos que o defenderão da morte. Mas Bani Walid tem também uma história de oposição a Kadafi. Diplomatas ocidentais na Líbia e líderes da oposição que estão no exterior disseram em 1993 que a força aérea líbia acabou com uma rebelião de unidades do exército em Misrata e em Bani Walid e que muitos oficiais foram executados e presos.

O coronel acrescentou que o povo de Bani Walid disse aos rebeldes que um dos filhos de Kadafi, Seif al-Islam, voou para Bani Walid logo após a tomada de Tripoli, mas saiu da região em seguida, temendo que a população local o entregasse aos rebeldes. Seif al-Islam Gadhafi era candidato a suceder seu pai e foi acusado pela justiça internacional, junto com Kadafi, por crimes contra a humanidade durante a tentativa de acabar com os protestos em fevereiro.

Na semana passada, um homem que dizia ser Seif al-Islam Kadafi fez um apelo de um local desconhecido, veiculado pela TV sediada na Síria, pedindo aos aliados de seu pai que mantivessem a luta mesmo que isso significasse "morrer em nossa terra".

Os relatos dos rebeldes sobre o paradeiro do filho mais velho de Kadafi são conflitantes, mencionando a cidade natal de Kadafi, Sirte, e a cidade leal de Sabha, no deserto líbio. A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) diz ter bombardeado barracas militares, um campo policial e vários alvos próximos a Sirte na madrugada, assim como alvos próximos a Hun, um possível local de abrigo no deserto e meio do caminho entre Sirte e Sabha. A Otan diz ter bombardeado também um armazém de armas próximo a Bani Walid.

Os rebeldes, por sua vez, cercaram Bani Walid. Centenas de militares da oposição estão prontos para uma batalha, alguns deles posicionados a cerca de 15 quilômetros do centro da cidade. 

 

 

Mais conteúdo sobre:
LIBIA Kadafi Muamar Kadafi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.