Rebeldes líbios podem retomar produção de petróleo em 3 semanas

Oposicionistas dizem que irão esperar segurança melhorar; há escassez de combustível no país

ROBERT BIRSEL, REUTERS

19 de agosto de 2011 | 09h31

BENGHAZI - Os rebeldes da Líbia poderão retomar dentro de três semanas a produção de petróleo em dois grandes poços no leste do país, num esforço para conter a escassez de combustível e potencialmente restabelecer o suprimento ao mercado mundial, do qual está ausente desde a irrupção da guerra, no começo do ano.

  

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

 

 

"Nossos campos estão passando por manutenção e estamos ainda aguardando segurança", disse Abdeljalil Mayouf, gerente de informação da Arabian Gulf Oil Company (AGOCO), empresa líbia que explora os poços de Sarir e Mesla, em declarações à Reuters.

"Quando a segurança estiver boa, nós vamos começar. Talvez duas ou três semanas depois da melhoria da segurança. Pode ser em três semanas", disse ele.

A Líbia, país membro da Opep, é o terceiro maior produtor de petróleo na África e detém as maiores reservas petrolíferas do continente.

O país produzia 1,6 milhão de barris de óleo por dia antes do início, em fevereiro, do levante contra os 41 anos do regime do líder líbio, Muammar Gaddafi,

Depois que forças pró-Gaddafi atacaram instalações petrolíferas no deserto, os rebeldes pararam de bombear petróleo para os terminais de exportação, no Mediterrâneo, que estão sob seu controle.

No entanto, como os insurgentes avançaram consideravelmente nos últimos dias, o governo de Gaddafi parece cada vez mais isolado em seu reduto, na capital e arredores.

Os campos de Sarir e Mesla têm capacidade total de aproximadamente 250 mil barris por dia, equivalente a um sexto da produção total da Líbia antes da guerra.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAPETROLEORETOMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.