Reconstrução de Gaza pode chegar a US$ 2 bilhões

Arábia Saudita doará US$ 1 bilhão; UE diz que só ajudará se Fatah integrar governo

Associated Press,

20 de janeiro de 2009 | 05h15

Centenas de milhões de dólares em ajuda humanitária são necessários de imediato para prestar assistência aos 1,4 milhões de habitantes de Gaza, e bilhões de dólares devem ser usados para reconstruir sua infraestrutura, disse nesta segunda-feira, 19, o diretor de operações humanitárias da ONU. Segundo o Centro de Estatística Palestino, mais de 22 mil construções foram danificadas ou destruídas - quase mil imóveis arruinados por dia de conflito. Ao todo, seriam necessários entre US$ 1,6 bilhão e US$ 2 bilhões para os esforços de reconstrução.  Veja também:Israel quer manter forte controle na reconstrução de GazaHamas promete se rearmar após ofensiva em GazaTropas sairão de Gaza antes de posse de Obama, afirma IsraelHamas anuncia trégua para Israel sair da Faixa de GazaNo Egito, França diz que Israel deve deixar Faixa de Gaza Especial traz mapa com principais alvos em Gaza  Linha do tempo multimídia dos ataques em Gaza Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos  Veja imagens de Gaza após os ataques     John Holmes afirmou que algumas localidades foram quase totalmente destruídas e há enorme escassez de medicamentos e alimentos. Ele disse ainda que os projéteis que não explodiram representam um grave problema para os moradores da região. Apesar de 100 mil pessoas já contarem com água corrente desde domingo, 400 mil ainda não tem acesso a este serviço. Falta eletricidade quase todo o dia e 100 mil pessoas foram deslocadas, disse Holmes. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, enviou uma equipe do organismo para avaliar a situação humanitária e deseja um informe em 10 dias para emitir uma solicitação de fundos de emergência. Na segunda-feira, a Arábia Saudita anunciou que doará, sozinha, US$ 1 bilhão para recompor a infraestrutura de Gaza. A União Europeia afirmou que pretende auxiliar na reconstrução imediatamente, mas indicou que a ajuda não poderá ser fornecida a um governo dominado pelo Hamas. A reconciliação entre o grupo islâmico e o rival Fatah seria um pré-requisito para o investimento da UE e também dos EUA em Gaza, afirmaram diplomatas ocidentais. De acordo com as informações mais recentes do Ministério da Saúde palestino, ao menos 1314 pessoas faleceram, entre eles 416 crianças e 106 mulheres, e outras 5.320 resultaram feridas, ao menos 1.855 menores e 795 mulehres. Do lado israelense, nove soldados e quatro civis morreram e 84 ficaram feridos.

Tudo o que sabemos sobre:
Faixa de GazaHamasIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.