Reformistas abrem campanha por ex-primeiro-ministro no Irã

Governo bloqueou acesso ao portal de relacionamentos Facebook para evitar campanha da oposição

Agência Estado,

23 de maio de 2009 | 22h38

O ex-presidente do Irã Mohammad Khatami, considerado um reformista, abriu neste sábado a campanha pela eleição do ex-primeiro-ministro Mir Hossein Mousavi no pleito presidencial de 12 de junho. Seu principal concorrente é o presidente Mahmoud Ahmadinejad, que conta com o apoio da ala mais conservadora da hierarquia xiita.

Discursando num comício no estádio Azadi (Liberdade), em Teerã, Khatami, que foi presidente por dois mandatos, entre 1997 e 2005, disse: "Levantem-se e não percam esta oportunidade rara. Todos vocês, venham para as urnas e escrevem o nome de Mir Hossein Mousavi, cumpram o seu dever para com a revolução e o Islã e decidam sobre seu próprio destino".

"Eu sei que a filtragem de pensamentos e as restrições à liberdade aumentaram. A interferência em assuntos eleitorais antes da eleição e no momento da eleição também cresceu, e se intensificou de modo a impedir que a vontade do povo seja ouvida. Mas eu sei que o país se tornou mais experiente e alerta", afirmou Khatami.

Neste sábado, a agência de notícias iraniana Irna informou que o governo do Irã bloqueou o acesso ao portal de relacionamentos Facebook, supostamente para impedir que os apoiadores de Mousavi usem o site para fazer campanha. "De acordo com alguns usuários da internet, o site foi banido porque apoiadores de Mir Hossein Mousavi estavam usando o Facebook para disseminar as posições do candidato".

Durante o comício, Khatami criticou as políticas de Ahmadinejad, "que dia após dia isolam mais o Irã e resultam em mais atraso e em mais pressões sobre o Irã" e exortou a "uma abertura das portas do Irã para o mundo, e das portas do mundo para o Irã".

Na sexta-feira, ao abrir a campanha eleitoral, o presidente Ahmadinejad reafirmou sua defesa do programa nuclear iraniano. "A nação iraniana não aceitará dominação por parte de potências opressoras. Nós construímos um Irã que terá um papel em direcionar o futuro do mundo", afirmou o presidente durante um comício. Ele criticou o governo de Khatami, ao dizer que "sua política de détente levou ao fechamento de nossas instalações nucleares".

Sobre Israel, Ahmadinejad citou palavras do aiatolá Ruhollah Khomeini, principal líder da Revolução Islâmica de 1979: "Eles são como cachorros: se você os ataca, eles recuam; se você recua, eles atacam". Israel tem pressionado os EUA a sancionarem uma ação militar contra o Irã, por causa da recusa desse país a abandonar seu programa nuclear.

Teerã sustenta que seu programa nuclear tem fins exclusivamente pacíficos e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, da ONU) diz que seus inspetores não encontraram nenhum sinal de que o Irã tenha um programa nuclear com fins militares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.