Reformistas iranianos pedem recontagem de votos em Teerã

Os políticos reformistas contrários aopresidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, pediram na quarta-feirauma recontagem dos votos depositados nas urnas de Teerã naeleição parlamentar, vencidas com facilidade pelosconservadores, afirmou uma agência de notícias. Os reformistas, que defendem a adoção de mudanças sociais epolíticas no país, reclamaram que o pleito de sexta-feira foiarquitetado para garantir a derrota deles, independentemente davontade dos eleitores, porque muitos de seus candidatos nãopuderam concorrer. Vários candidatos reformistas foram barradospor meio de um processo de seleção pré-eleitoral. Os conservadores, que se dizem comprometidos com os ideaisda República Islâmica, conquistaram mais de 70 por cento dasvagas já definidas. O Parlamento possui 290 membros, e eleiçõesde segundo turno serão realizadas em algumas áreas em abril ouem maio. Na corrida para eleger os 30 parlamentares de Teerã, todasas 19 cadeiras conquistadas no primeiro turno foram para osconservadores. Há reformistas entre os que participam dosegundo turno. O ex-presidente Mohammad Khatami e o ex-presidente doParlamento Mehdi Karoubi, ambos figuras de destaque do blocoreformista, pediram a recontagem dos votos em vista de"desconfianças relativas ao resultado da votação em Teerã e afim de evitar quaisquer eventuais violações dos direitos (doscandidatos)". Os comentários integravam um comunicado assinado pelaCoalizão dos Grupos Reformistas e divulgado pela agência denotícias Isna. "Pedimos a recontagem total dos votos em Teerã e, se issonão for possível, que sejam escolhidas urnas aleatoriamente(para a recontagem) na presença de candidatos ou derepresentantes dos candidatos nas eleições", afirmou ocomunicado. Um político reformista questionou o processo de contagem nasegunda-feira, mas não deu mais detalhes. Muitos reformistasforam impedidos de concorrer pelo Conselho dos Guardiões, umórgão de supervisão controlado pelos conservadores e compostode clérigos e juristas. (Reportagem de Hashem Kalantari)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.