Reino Unido terá só 2,5 mil soldados no Iraque em 2008

Decisão de reduzir contingente de 5 mil até metade do ano foi anunciada por Gordon Brown; objetivo é treinar

08 de outubro de 2007 | 12h37

O primeiro-ministro Gordon Brown anunciou nesta segunda-feira, 8, que o Reino Unido iniciará uma grande retirada de tropas do Iraque a partir de março de 2008, reduzindo seu contingente de cerca de 5 mil soldados para 2,5 mil até a metade do ano.  Veja também:Brown assume responsabilidade por não antecipar eleiçõesExplosões de carros-bomba matam 20 no IraqueEspecial: Ocupação do Iraque   Brown disse num comunicado ao Parlamento que uma nova redução passará a ser considerada assim que a retirada planejada for concluída. Mais tarde nesta segunda-feira, um porta-voz da chancelaria britânica deu sinais de que uma retirada completa poderia concluída ainda em 2008.  O Reino Unido tem hoje cerca de 5 mil soldados estacionados numa base aérea nos arredores da cidade sulista de Basra. Na semana passada, o premiê já havia anunciado um plano de retirada gradual que até o final do ano deverá deixar no país cerca de 4,5 mil soldados britânicos.  Forças iraquianas assumirão o controle de segurança na província de Basra nos próximos dois meses, pondo fim à missão de combate do Reino Unido no país árabe.  Segundo o premiê, a mudança no foco de atuação das tropas britânicas no Iraque deve-se ao que o premiê classificou como sucesso da estratégia americana para a pacificação do país. Em janeiro, o presidente George W. Bush ordenou a ampliação do número de tropas americanas no Iraque. "Planejamos mover para uma segunda fase de intenso acompanhamento, onde a coalizão manteria uma capacidade de intervenção mais limitada e o principal foco seria no treinamento (de tropas iraquianas) e monitoramento", explicou Brown. De acordo com fontes da chancelaria britânica, a redução anunciada nesta quarta-feira estará completa em abril, abrindo a possibilidade para a avaliação de uma nova retirada. Segundo um alto funcionário da diplomacia britânica, o Reino Unido não descarta trazer todos os seus soldados para casa até o final de 2008. "Não há garantias de que eles (os soldados) permanecerão no Iraque para além do fim de 2008", disse a fonte.  Outras medidas Brown também anunciou outras medidas relativas à permanência britânica no país árabe. Uma das decisões seria a manutenção de cerca de 500 militares das áreas de logística e apoio em um país do Oriente Médio próximo ao Iraque, a fim de apoiar as tropas remanescentes. Eles devem ficar no Kuwait. Interpretes iraquianos e civis empregados pelas forças britânicas por mais de 12 meses terão assistência financeira para se restabelecerem ou para deixar o país, ou terão aprovação "em circunstâncias acertadas, para admissão no Reino Unido", acrescentou. De acordo com o New York Times, a decisão em reduzir as tropas anunciada por Brown fora discutida com o comandante das forças americanas no país, general David Petraeus. Segundo a Associated Press, no entanto, militares americanos teriam mostrado preocupação com a possibilidade de abertura de lacunas na segurança das rotas que ligam o sul do Iraque ao Kuwait. As estradas da província de Basra costumam ser usadas pelos americanos para o escoamento de equipamentos militares que não podem ser transportados de avião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.