Relatório de general sobre Iraque deve apontar quadro desigual

Um relatório a ser divulgado emsetembro sobre o incremento das tropas dos EUA no Iraque deveráapontar para um quadro misto que inclui avanços militares mastambém metas de reconciliação política não alcançadas,desencadeando um novo debate sobre a justificativa ou não deuma retirada das forças americanas. O relatório do general americano que comanda as operaçõesno Iraque, David Petraeus, está previsto para sair até 15 desetembro. A expectativa ampla é que trace uma avaliaçãodecisiva do impacto da decisão tomada pelo presidente George W.Bush este ano de enviar milhares de soldados adicionais a Bagdáe à província de Anbar, para tentar levar a estabilidade aessas regiões. Com a guerra pouco popular figurando como questão em pautana campanha presidencial americana, e com o aumento das mortesde civis no Iraque, é provável que os democratas utilizem orelatório como munição para reforçar seu argumento de que éhora de os EUA traçarem um plano para reduzir sua presença noIraque. "O relatório deve ressaltar o fato de que a situação noIraque não melhorou e que precisamos de uma mudança deestratégia", disse o democrata do Nevada Jim Manley, porta-vozdo líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid. Alguns republicanos preocupados com as eleições de novembrode 2008 provavelmente levantarão perguntas difíceis sobrequanto tempo será possível manter a estratégia atual no Iraque,em vista da desaprovação pública da guerra. Altos funcionários da administração familiarizados com osprimeiros esboços do relatório disseram que Petraeus e oembaixador dos EUA no Iraque, Ryan Crocker, vão traçar umquadro misto do Iraque. Houve mais êxitos do que os previstos na estratégiaamericana de limpar os bairros de Bagdá de insurgentes e mantero controle sobre eles, disseram. E a província de Anbar, em quea situação é sempre intranquila, também passou a viver maiscalma. Mas menos avanços foram feitos no sentido de conseguir queo governo do primeiro-ministro Nuri al Maliki faça gestos dereconciliação política. E uma lei de partilha da receitapetrolífera e outras medidas chaves ainda estão longe deconcretizadas. "A boa notícia no Iraque é que estamos vencendo,militarmente. A má notícia é que o governo de Maliki não estáfuncionando bem", disse o senador republicano e pré-candidatopresidencial John McCain. Petraeus disse a jornalistas na quarta-feira que estápreparando recomendações sobre o nível das tropas, visando umapresença americana reduzida no Iraque dentro de um ano, mais oumenos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.