Repressão a protesto sunita gera confrontos com 44 mortos no Iraque

Mais de 40 pessoas morreram durante confrontos entre insurgentes sunitas e militares iraquianos nesta terça-feira, depois de forças do governo dispersarem um acampamento de manifestantes.

Reuters

23 de abril de 2013 | 18h20

Esse foi o pior confronto no Iraque desde que milhares de sunitas iniciaram protestos, em dezembro, contra uma suposta marginalização de sua seita pelo governo do primeiro-ministro xiita Nuri al-Maliki.

O Ministério de Defesa iraquiano disse que os soldados abriram fogo depois de serem atacados por atiradores no improvisado acampamento instalado em uma praça de Hawija, nos arredores de Kirkuk, cerca de 170 quilômetros ao norte de Bagdá.

"Quando as Forças Armadas começaram ... a impor a lei usando unidades das forças de controle de distúrbios, foram confrontadas por fogo pesado", disse o ministério em nota.

Líderes dos manifestantes, no entanto, dizem que eles estavam desarmados quando os soldados chegaram atirando, durante a manhã.

"Quando as forças especiais invadiram a praça, não estávamos preparados e não tínhamos armas. Eles esmagaram alguns de nós nos seus veículos", disse o estudante Ahmed Hawija.

O ministério disse que 20 pistoleiros foram mortos no acampamento, junto com três agentes do governo. Fontes militares disseram que os mortos foram 20 pessoas no acampamento e seis soldados.

Durante todo o dia, ataques com morteiros, bombas e de atiradores também mataram pelo menos 21 fiéis quando eles deixavam duas mesquitas sunitas em Bagdá e outro na província de Diyala, no norte, segundo a polícia e fontes médicas.

(Reportagem de Suadad al-Salhy)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUESUNITASPROTESTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.